Resenhas

Freddie Gibbs – ESGN:Evil Seeds Grow Naturally

Longa extensão e repetição de fórmulas acabam ganhando mais destaque que algumas características interessantes do disco, e o resultado final acaba decepcionando.

 2,392 total views

Ano: 2013
Selo: ESGN
# Faixas: 20
Estilos: Hip Hop
Duração: 80:00
Nota: 3.0
Produção: ESGN

Uma das características mais marcantes do Hip Hop, o grande número de faixas na maioria das composições de seus artistas pode ser tanto uma benção como um tormento. Para definir qual adjetivo irá prevelecer uma equação com diversas incógnitas é construída, nela batidas, versos, participações especiais e o andamento da obra podem ser consideradas exemplos de variáveis. Curiosamente, Freddie Gibbs mostra-se no meio de tal análise com um disco que não chega a destacar como deveria mas que também pode demonstrar algumas pérolas.

Com versos mais urbanos e voltados ao Mainstream do gênero, ESGN – Evil Seeds Grow Naturally, não é um disco que tenta tirar o pé do peso, e a sua maior valência talvez seja o uso de graves da melhor forma possível: tão intenso que faz o peito vibrar. Hundred Thousand é o tipo de música que causa tal efeito assim como Lay it Down. Algo no entanto, começa a incomodar logo nas primeiras faixas do disco, a grande semelhança entre as mesmas. Não sabemos ao certo diferenciar com precisão uma música da outra, e atmosfera parece ser sempre a mesma com seu intenso baixo, batidas carregadas em tempos mais espaçados que dão a sensação de viagem letárgica e o peso nos versos de Freddie e seus parceiros.

Tal constatação começa a incomodar quando vemos o número de músicas em ESGN, 20 no total. E infelizmente a maioria das faixas segue a mesma tendência, mesmo quando aparecem G-Wiz, Problem e Spice 1 nada muda. No entanto, devemos levar em consideração que tal fórmula não é ruim, mas a falta de criatividade das partes envolvidas chega a chocar, é como se estivéssemos diante de muitas versões da mesma fórmula.

Algumas pérolas aparecem esparsamente em um setlist tão extenso como a ótima balada I Seen A Man Die ou a psicodélica Ten Packs of Backwoods mas a mesma bateria eletrônica e o impacto do baixo pulsante começa a perder o seu valor a medida em que ouvimos The Real G Money e Came Up. Consegue notar claramente a diferença? Não, nem eu. Mesmo as músicas que algo diferente é colocado como os samples de sopro em Paper ou o ar Gangsta Rap de F.A.M.E, a náusea do mais do mesmo aparece, mesmo que um pouco mais contida.

Temos espaço para diferenciação com o R&B Lose Control com Chicago Kid ou a nervosa e Funk Freddie Soprano mas o resultado final decepciona de certa forma. O disco como um todo é Freddie Gibbs aterrorizando o seus ouvintes com versos violentos e batidas intensas, bem acompanhado de seus amigos. No entanto, a fórmula é idêntica em quase todos os momentos e ao constatar que não temos 10 mas 20 faixas, as coisas acabam complicando ainda mais. Talvez condensar um pouco o ímpeto com menos músicas, que saibam passar toda a atmosfera de terror proposta seja o segredo para um próximo trabalho de Gibbs.

 2,393 total views,  1 views today

BOM PARA QUEM OUVE: Kevin Gates, Jay-Z, Kanye West
ARTISTA: Freddie Gibbs
MARCADORES: Hip Hop

Autor:

Economista musical, viciado em games, filmes, astrofísica e arte em geral.