Resenhas

Generationals – Heza

Mais um disco que tenta acabar com a discussão se a música Pop pode ser boa ou não – e resposta que obtemos aqui é positiva

 2,485 total views

Ano: 2013
Selo: Polyvinyl
# Faixas: 10
Estilos: Indie Pop, Pop
Duração: 34:16
Nota: 3.5
Produção: Daniel Black
SoundCloud: /tracks/70735328
Itunes: http://clk.tradedoubler.com/click?p=214843&a=2184158&url=https%3A%2F%2Fitunes.apple.com%2Fbr%2Falbum%2Fheza%2Fid623069567%3

Entre as inúmeras qualidades presentes no trabalho do duo norte-americano Generationals, inovação certamente não está presente. Seu terceiro disco, Heza, prova isso categoricamente, porém mostra também que para se produzir boas músicas dentro do território Pop nem sempre há a necessidade de sair dos moldes pré-estabelecidos – e aqui a dupla usa um monte deles para criar um exemplar espécime do Indie Pop feito em nossa geração.

Em dez faixas, o duo utiliza uma gama interessante de influências que se amparam em ritmos ubpeat, melodias facilmente memorizáveis (assim como alguns refrãos) e letras espertas, para tirar o ouvinte para dançar e embalá-lo por bons 34 minutos. E se por um lado o disco peca pela falta de coesão (que não chega a ser um empecilho para quem ouve), ele ganha alguns pontos pela grande mobilidade e variedade de estilos que se amontoam com o propósito único de entreter o ouvinte por toda sua extensão.

Mesmo com toda essa volubilidade, o disco pode ser divido em momentos ou tendências a certos estilos. Os singles Spinoza e Put A Light On, por exemplo, tiveram a função de carregar o nome do disco ao máximo de lugares possível e para tal apostaram em melodias explosivas e dançantes, carregadas com grande teor Pop e, sobretudo, facilmente assimiláveis pelo público – o que lhes assegura o papel de hits deste álbum. Extra Free Year, Say When, Awake e Durga II seguem um clima oitentista, apostando em melodias cativantes, um baixo pulsante e a bateria cadenciada – o que pode remeter ao resgate à década que o Twin Shadown faz.

I Never Know e I Used to Let You Get to Me, por sua vez, focam nas guitarras e no Indie Rock como principal combustível, acrescendo ainda algumas referências a bandas como Velvet Underground e The Drums, respectivamente. O Novo Afro-Pop, de bandas como Vampire Weekend ou Givers, dá as caras em Kemal, outra faixa incrivelmente Pop e com grandes chances de se tornar um futuro single.

Carregado com grandes dozes Pop, Heza é um disco que se apega a fórmulas e não traz nada de realmente novo aos estilos com que brinca, mas ao mesmo tempo sabe usa-los de modo a criar algo que não se torne descartável. E está aí o grande encanto com este trabalho e de modo geral com o som do duo. Generationals é mais uma prova que a música Pop e com fins comerciais pode sim ser boa.

Generationals – Spinoza

 2,486 total views

BOM PARA QUEM OUVE: STRFKR, Telekinesis, Givers
ARTISTA: Generationals
MARCADORES: Indie Pop, Pop

Autor:

Apaixonado por música e entusiasta no mundo dos podcasts