Resenhas

James Blake – James Blake

Uma ambientação silenciosa valoriza cada um dos versos íntimos e sussurrados do artista inglês em seu primeiro álbum, que leva seu próprio nome para caracterizar o nível de pessoalidade contido nas canções

2,657 total views, 2 views today

Ano: 2011
Selo: Atlas, A&M, Polydor
# Faixas: 11
Estilos: Post-Dubstep, Eletrônico, Soul
Duração: 38'
Nota: 4.0
Produção: James Blake
Livraria Cultura: 22441330

Em seu disco de estreia, o inglês James Blake cria uma ambientação silenciosa para sussurrar seus desabafos líricos e musicais, em uma obra tão pessoal que acaba levando seu próprio nome.

Em menos de 40 minutos, ele usa uma enorme quantidade de referências, inspirações e efeitos sonoros, que estão pulverizados minimamente ao longo das onze faixas. Tão baixinhos, quase imperceptíveis às vezes. Isso resulta em um retrato da mente nem sempre linear de Blake, com vários elementos que coexistem naturalmente.

Ele arranja os sons organicamente, usando efeitos eletrônicos e o piano, com sua voz soando sincera mesmo alterada pelo auto tune. Faixas como To Care (Like You) e Why Don’t You Call Me trazem uma grande fragmentação que pode incomodar alguns, assim como o acapella eletrônico de Lindisfarne I, mas quando você ouve o disco todo, compreende melhor a beleza da obra como um todo e como cada um desses elementos cumpre tão bem seu papel ali dentro.

The Wilhelm Scream e Limit To Your Love estiveram presentes em diversas listas de “Melhores de 2011”, assim como o álbum – o que não é em nada surpreendente. Blake sabe quando crescer na hora certa (como em Lindisfarne II), usar suas referências do soul e gospel (Measurements) e também do pop romântico jazzístico (Give Me Your Mouth), tudo sem perder sua identidade em qualquer momento.

Lançado em fevereiro, James Blake já ganhou dois EPs sucessores, Enough Thunder (em outubro) e Love What Happened Here (dezembro), mostrando que o artista tem muito o que dizer ao mundo, de sussurro em sussurro, sempre em um nível de qualidade que surpreende pela rapidez com que ele produz novos lançamentos.

2,658 total views, 3 views today

Autor:

Comunicador, arteiro, crítico e cafeínado.