Resenhas

Jessica Bailiff – At the Down-Turned Jagged Rim of the Sky

A melancolia doce da cantora retorna em seu novo álbum o qual pode não agradar a todos os ouvidos. Lirismo cinzento e elementos amargos compõem as faixas.

1,161 total views, no views today

Ano: 2012
Selo: Kranky Records
# Faixas: 9
Estilos: Slowcore, Shoegaze, Minimal
Duração: 40:08
Nota: 2.5

O melancólico e suave som de Jessica Bailiff está de volta em seu novo disco de estúdio, At the Down-Turned Jagged Rim of the Sky. Assim como em seus trabalhos anteriores, a cantora passa em suas músicas uma mistura de Shoegaze com um toque amargo e belo ao mesmo tempo.

O lirismo se mostra mais uma vez presente. O embalar mais triste possui uma harmonia interessante que pode repelir alguns ou aproximar outros, dependendo de seus gostos. Não é uma audição que se espalha para todos os ouvidos, principalmente aos que não estão acostumados com sons mais amargos.

Algumas faixas são acrescidas de um toque até certo ponto épico como podemos perceber em Sanguine e Slowly, nos passando uma ideia de uma saga clássica e antepassada sendo narrada musicalmente em nossas ouvidos, certamente um ponto alto do disco.

Ele ganha peso adiante na faixa This is Real, com um baixo marcante e espaçado que vem acompanhado de um agoniante piano, mudando um pouco o clima do álbum que até então era sutilmente cinzento e agora mergulha mais na tal amargura.

O som acinzentado de Jessica aparece até mesmo na temática doce da canção seguinte, Goodnight, que inicia-se soando como uma cantiga de ninar, mas ainda com um toque da faixa anterior ao aparecer mais uma vez um piano mais sombrio e riffs de guitarra densos e pesados.

O trabalho de Jessica Bailiff sempre foi ver a beleza dentro do triste e, mais uma, vez ela não foge de seu estilo agora em At the Down-Turned Jagged Rim of the Sky. Uma boa pedida para quem gosta de sons mais melancólicos e, até certo ponto, minimalista e experimental.

1,162 total views, 1 views today

Autor:

Marketeiro, baixista, e sempre ouvindo música. Precisa comer toneladas de arroz com feijão para chegar a ser um Thunderbird (mas faz o que pode).