Resenhas

Joey Bada$$ – Summer Knights

Liderando um movimento que procura revitalizar o Hip Hop dos anos 90, jovem rapper lança gratuitamente uma ótima mixtape

 3,376 total views

Ano: 2013
Selo: Cinematic Music Group
# Faixas: 17
Estilos: Hip Hop
Duração: 70:00
Nota: 4.0
Produção: MF Doom, Chuck Strangers, Kirk Knight, Lee Bannon

Lá pelo final de Summer Knights, excelente mixtape de Joey Bada$$ temos um dos versos que talvez mais se adeque a atmosfera do som visto aqui: “This is what I asked for, asked for/Chillin at my backdoor, back off”. Esta volta aos som do Hip Hop dos anos 90, o qual, de certa forma, misturava batidas mais melódicas e viajantes enquanto rimas relacionadas ao cotidiano davam o tom lírico, é muito bem-vinda.

Escutar linhas cotiadianas como a vista em Sorry Bonita, citada anteriormente, são realmente gratificantes e a sensação é da viagem no tempo para um momento totalmente diferente da música e do mundo de forma geral. Enquanto o digital começava a ganhar forma, a internet não era um vício e a televisão, o meio mais utilizado para divulgação de informação, nomes importantes do estilo apareciam em Nova York, dentre eles o De La Soul e MF Doom. Um estilo muito mais urbano e adaptado a realidade das grandes metrópoles era moldado, e com ele novas tendências dentro do Hip Hop.

Joey faz parte de uma espécie de revival da cena novaiorquina, movimento chamado de Beast Coast e que tem como grandes expoentes a Pro Era (grupo do rapper), Flatbush Zombies e Under Achievers. Ainda como membros da cena independente, já chamam a atenção pelas texturas e o ar vintage de seu som. Em pouco mais de 17 músicas, Bada$$ passa do lirismo romântico e sensual de faixas como 95 Til Infinity, a letargia hipnótica em Satellite até o puro groove em Death of YOLO. O clima traduzido sob a forma de frequências sonoras é um alívio sonoro em um ritmo que parece evoluir cada vez mais para o lado eletrônico, de baladas pois inevitavelmente está se tornando membro do mainstream sonoro.

Voltando ao verso inicial, temos a sensação de que sempre estamos caminhando de forma tranquila, relaxada e o ambiente alheio parece ser um mero coadjuvante. Right on Time é faixa perfeita para o sexo, enquanto Word Is Bond é uma das melhores faixas do ano com sua atmosfera esquecida. Todas misturam participações da Pro Era, seja na produção ou na divisão de microfones.

Nomes como Chuck Strangers, Kirk Knight começam a surgir e acompanhar todo o crescimento do coletivo. A verdade é que estamos diante do surgimento de uma nova divisão no Hip Hop, algo fundamental para que o ritmo não se torne um mero produto. O próprio MF Doom aparece como produtor, uma forma de demonstrar o seu apreço pelos jovens que tentam recriar a antiga cena de NY. Sua faixa, Amethyst Rockstar é talvez a melhor música de toda a mixtape, uma comunhão de idéias e execuções acima da média.

Samples repetidos como um loop eterno e hipnotizante, a sensação de que o cotidiano é visto através de olhos atentos, paranoicos sob uma nevoa densa enquanto versos fazem o papel do groove. É isso que vemos na mixtape que se equivale muito bem ao primeiro trabalho do rapper 1999. Ao final, os versos de Trap Door, “Drive slow homie, drive slow Shit, my eyes low” fazem todo o sentido: relaxe ao som de um Hip Hop que sabe dosar o poder das palavras em batidas letárgicas, como os anos 1990 nos costumavam fornecer, um momento que curiosamente nos parece bem mais devagar quando entendemos o mundo atual.

 3,377 total views

BOM PARA QUEM OUVE: MF Doom, De La Soul, Tyler, The Creator
ARTISTA: Joey Bada$$
MARCADORES: Hip Hop, Ouça

Autor:

Economista musical, viciado em games, filmes, astrofísica e arte em geral.