Resenhas

Lil Silva – Mabel EP

Com participação de BANKS, produtor dá outras direções para o seu trabalho

 1,920 total views

Ano: 2014
Selo: Good Years Recordings
# Faixas: 5
Estilos: Neo Soul, Deep House
Duração: 20:54
Nota: 3.0
Produção: Lil Silva

Lil Silva surgiu como uma das vozes mais poderosas do Neo Soul há quase cinco anos, disputando e compartilhando espaço com o seu parceiro Sampha ao mesmo tempo em que iniciava suas aventuras como produtor. No entanto, três anos após a sua estreia com Patience EP, TJ Carter parece sempre se redescobrir e cada vez se mais aprofundar no trabalho de produção utilizando sua voz como um apoio e cada vez menos como a direção.

É assim que The Distance, EP do ano passado, se comportava em um disco repleto de influências contemporâneas, como Disclosure e SBTRKT, ambas conduzidas pelo Deep House de seu som e por um gosto por batidas minimalistas com clímax interessantes. Um ano depois, Mabel EP se assemelha com seu trabalho anterior um pouco pelas influências, que agora parecem menos diretas e mais experimentais, e por formar mais uma vez uma parceria interessante, desta vez com BANKS.

A cantora, já muito comentada por nós e com batidas feitas por Shlohmo, se une e traz o contraponto necessário em duas faixas díspares: Right For You – dueto devagar e sensual que divaga sobre um amor certo sob a ótica da mulher, mas que, na verdade, é o oposto no olhar de Lil Silva. O final da faixa é misterioso e não deixa claro qual é o desfecho da paixão errada mas certeira. Don’t You Love é daquelas faixas que dificilmente sairão da sua cabeça, com seu verso grudento e crescente que abre espaço para uma batida crescente à la Flume, quebrando sua cadência e apresentando a doce voz da cantora mais uma vez.

Se ambos os momentos são interessantes e adequados para serem encontrados em uma balada, por exemplo, algumas coisas acabam não ganhando destaque após a primeira audição, como a mesma proposta de clímax em Don’t You Love ou First Mark, ou simplesmente o fato de o mesmo timbre de baixo ser usado em quase todas as faixas deste curto EP. Mabel e Kimmy se assemelham nestes pequenos detalhes, apesar de serem distintos entre si. Esta leve semelhança chama atenção na primeira audição, mas não compromete o desenvolvimento do disco, mostrando um produtor buscando o orgânico em sua percussão – ambas as faixas citadas acima chamam atenção justamente por sua levada rítmica, trazendo um aspecto natural às suas composições.

Como produtor, Lil Silva traz cada vez mais elementos novos e naturais, tentando sempre levar batidas para mais perto das pistas do que à introspecção. Como cantor, ele funciona bem entre cada música, nunca sendo o seu destaque, mas sim um belo complemento. No entanto, o experimentalismo e as parcerias ainda são a chave para um trabalho bem-feito e que vem chamando a nossa atenção há um tempo, o sucesso e a sua grande marca na música parecem cada vez mais perto mas Mabel EP ainda não é este momento, apesar de suas qualidades inerentes.

 1,921 total views

BOM PARA QUEM OUVE: BANKS, Flume, SBTRKT
ARTISTA: Lil Silva
MARCADORES: Deep House, Neo Soul

Autor:

Economista musical, viciado em games, filmes, astrofísica e arte em geral.