Resenhas

Mac Demarco – 2

Músico canadense proporciona uma das surpresas mais agradáveis de 2012 ao trazer um álbum repleto de histórias misturadas a belas melodias

5,803 total views, no views today

Ano: 2012
Selo: Captured Tracks
# Faixas: 11
Estilos: Lo-Fi, Indie Rock, Surf Music
Duração: 31:21
Nota: 4.0
Produção: Mac Demarco

Uma das questões mais importantes que envolvem a música cantada é a dualidade entre letra e melodia. O que é mais importante? Uma discussão infindável parte destes dois pilares básicos da construção musical e, portanto, quando um artista jovem consegue unir ambos e proporcionar um disco lindo, olhares devem ser direcionados. Os canadenses do Mac Demarco, banda que tem no guitarrista e vocalista o seu elemento chave, trazem o sucessor de sua estreia, Rock and Roll Night Club, e 2 pode ser considerado uma das grandes surpresas e alegrias de 2012.

Mac é um guitarrista criativo e cria os seus arranjos a partir de acordes levemente suingados e riffs dançantes. Seus solos lembram um Mark Knopfler, do Dire Straits, menos agressivo e mais lento, aproveitando cada momento unicamente. Sua voz e lirismo lembram um jovem Lou Reed, construindo mundos a parte em suas músicas como forma de ilustração indireta de lembranças do seu passado. De forma subconsciente, suas letras sempre levam uma boa identificação entre artista e ouvinte.

Cooking Up Something Good inicia o disco como abertura de um filme de comédia de modos, abordando a realidade de um suburbio. Seus acordes divertem, é impossível não sorrir com a sua introdução. As aparências enganam na letra “and daddy’s on the sofa, pride of the neighborhood/my brother’s in the ballet”, tudo parece perfeitamente normal até que Mac diz o que está sendo bem cozinhado: anfetaminas no porão. Dreaming, logo em seguida, é a combinação perfeita entre ócio e desprendimento do mundo, Lo-Fi na medida certa sem deixar ninguém entediado.

Freaking Out The Neighborhood mostra as virtudes do guitarrista em uma das músicas mais agitadas e viciantes do disco. O alto astral da melodia contrasta com uma letra pessoal, em que Mac tenta acalmar sua mãe, pois está sem emprego e entregue as confusões mas continua o mesmo menino de sempre.”Sincerely, don’t worry/same old boy that you owe to you in front”. Annie lembra muito as composições solo de Lou Reed com seu jeito despretensioso misturado à letras amorosas, o timbre de voz é igualmente semelhante, soando quase desinteressado ao dizer “oh Annie, sit down beside me, let me confide in you /you know when I’m blue, you know when I’m lonely”.

Ode to Viceroy é um conto sobre o seu vício em cigarros. Sua melodia é lenta, letárgica e hipnotizante. “And oh don’t let me see you crying/’cause oh honey I’ll smoke you ‘til I’m dying” diz Demarco antes de encerrar a música com um solo encaixado perfeitamente. O disco vai continuando com as músicas seguindo a mesma unidade entre boas letras e arranjos praieiros, como se o Sol sempre brilhasse devagar, queimando aos poucos o seu corpo. Tente não dançar com os riffs agitados de The Stars Keep Calling My Name, por exemplo, e entenderá o sentido divertido e belo de suas músicas.

My Kind Of Women é uma das melhores canções de amor de 2012. Sinceridade passada através de uma voz serena, e versos como “you’re making my crazy /Really driving me mad/That’s all right with me/It’s really no fuss/As long as you’re next to me/Just the two of us” conseguem deixar qualquer mais apaixonado por uma pessoa ou mais melancólico por não tê-la. Entrega total é passada no refrão quando Mac pede para pessoa mostrar o seu mundo para ele, “and I’m down on my hands and knees/Begging you please, baby /Show me your world”

Sheril é a melhor música do disco. A melodia no verso é simplesmente viajante e impossível de ser esquecida. Pense em um vício musical que dura pouco, 2:30, e temos um ótimo candidato a ser o repeat dos seu player nas próximas semanas.

Se em seu debut víamos Mac Demarco com ares andrógenos a lá David Bowie e uma aura mais escura, percebíamos também timbres de guitarra que abraçam por inteiro 2. Aqui o músico demonstra que questões entre letras e melodias podem ser esquecidas quando o seu álbum é apreciado ao abranger ambos os mundos de forma letárgica e praieira. Virtuoso guitarrista, lembrando outros dinossauros da música com sua voz pegajosa e viciante, Mac é a definição de música “gostosa de se ouvir”, sem soar banal ou artificial. Álbum perfeito para constar na sua playlist de verão em qualquer momento.

5,804 total views, no views today

BOM PARA QUEM OUVE: Matthew E. White, Best Coast, Girls
ARTISTA: Mac Demarco

Autor:

Economista musical, viciado em games, filmes, astrofísica e arte em geral.