Resenhas

Mahmed – Ciao, Inércia

EP de grupo potiguar traz significados menos óbvios da psicodelia e acerta em cheio

2,090 total views, 1 views today

Ano: 2016
Selo: Balaclava Records
# Faixas: 3
Estilos: Psicodelia, Instrumental, Post-Rock
Duração: 7:06
Nota: 3.5
Produção: Mahmed

Ouvir Mahmed nunca é um mero “ouvir”. Com um fantástico disco de estreia, o grupo potiguar deixa bem claro que escutar suas músicas transcende qualquer forma passiva de apreciar um bom álbum. Por meio de construções muito bem planejadas de ambientes oníricos, somos instigados a levitar e voar por suas composições, trazendo sempre um pouco de nosso universo e deixando o repertório da banda bastante próximo de nossos imaginários também. Assim, para continuar com este voo suave e pessoal, o conjunto resolveu, por meio de um financiamento coletivo, prosseguir com sua turnê pelo país e, talvez, esta tenha sido a grande inspiração por trás da nova viagem de Mahmed.

Ciao, Inércia é curto, porém muito profundo. Menos de dez minutos de duração é o suficiente para que penetremos em um mundo que vai muito além da definição de psicodelia, e o nome do registro é uma das principais razões para esta visão. As músicas são relativamente curtas, mas parece que nossa experiência não termina ao final do disco, pois “um corpo que está em movimento tende a ficar em movimento”. O voo que o EP nos impulsiona a ter causa uma sensação de paz que se perpetua depois da última pratada de Pra Que Ser Maior. E curiosamente, as duas primeiras faixas criam atmosferas tão pacíficas que é quase como se estívessemos imóveis, mas na realidade estamos tão rápido que mal conseguimos perceber o mundo.

O EP é mais do que uma extensão do disco. A banda permanece segura de sua identidade sonora que cultivou com carinho, criando uma obra eficaz em nos transportar. Um pouco de física, muita sensorialidade e uma conhecida e forte produção fazem de Ciao, Inércia uma obra completa que prova que ouvir Mahmed nunca é tão simples quanto parece, embora a paz que o registro nos traga aponte o contrário. Uma contradição deliciosa de se escutar.

(Ciao, Inércia em uma faixa: Pra Que Ser Maior)

2,091 total views, 2 views today

Autor:

Designer frustrado, julgador de capas de discos e odiador daqueles que põem o feijão antes do arroz.