Resenhas

Marika Hackman – Deaf Heat EP

Terceira obra da jovem inglesa se mostra coesa e de uma profunda e triste beleza

 2,641 total views

Ano: 2014
Selo: Dirty Hit
# Faixas: 4
Estilos: Folk, Folk Experimental
Duração: 11:51
Nota: 3.0
SoundCloud: /tracks/137168586
Itunes: http://clk.tradedoubler.com/click?p=214843&a=2184158&url=https%3A%2F%2Fitunes.apple.com%2Fbr%2Falbum%2Fdeaf-heat-ep%2Fid828485268%3Fuo%3D4%26partnerId%3D2003

Depois de um bom 2013, com os lançamentos de That Iron Taste e Sugar Blind, Marika Hackman está de volta com mais um novo EP, Deaf Heat. Nele, a moça continua brincando os mesmos hibridismos Folk que já testou em seus dois trabalhos passados, mas desta vez trazendo maior coesão entre as faixas e um clima bem estabelecido para toda sua obra.

Em suas quatro faixas, que se alongam por pouco menos de 12 minutos, Marika consegue alcançar um patamar emocional que suas outras obras não conseguiam. Letras e arranjos se juntam para projetar um estado misto de tristeza e pesar. Ainda assim, algo encantador.

Tudo começa com os belos cânticos de Tongues, faixa que pode lembrar um coro gregoriano, porém feito somente pela voz da moça. A instrumentação simples deixa o foco da música nos vocais, que começam a construir o clima melancólico da curta obra. Em uma transição que choca os ouvidos, Deep Green mostra maior diversidade de elementos: o guia rítmico feito com tambores ecoantes, camadas com batidas computadorizadas, alguns sintetizadores e mais uma vez sua voz entrando como elemento principal – dando vazão a versos como “Better to love than to have and to hold” e “Just because I love your skin, doesn’t mean I’ll jump in”.

Call of the Dogs instrumentalmente se torna tão ambiciosa quanto sua antecessora, porém leva sua musicalidade à terrenos próximos a Daughter ou Lucy Rose, em algo, ainda que intenso, leve e gentil. Assim como Sugar Blind, o EP é fechado com um cover, desta vez I Follow Rivers, da sueca Lykke Li. Uma bela versão que ambienta a faixa original em um clima mais pesado.

 2,642 total views

BOM PARA QUEM OUVE: Daughter, Rosie & Me, Lucy Rose
MARCADORES: Folk, Folk Experimental

Autor:

Apaixonado por música e entusiasta no mundo dos podcasts