Resenhas

Miami Horror – All Possible Futures

Segundo disco dos australianos traz apanhado da cena musical local ao mesmo tempo em que ainda entrega o melhor da Indie Disco

 3,794 total views

Ano: 2015
Selo: Haven Sounds, Dine Alone Music
# Faixas: 15
Estilos: Eletrônica, Disco, Dreampop, Psicodelia
Duração: 62:00
Nota: 3.0
Produção: Miami Horror

Cinco anos se passaram desde o último e único lançamento dos australianos Miami Horror. Ilumination foi um estrondo dentro da cena Indie Eletrônica ao abordar algumas vertentes musicais que se provariam certeiras, como a Disco e o Eletro Funk. Ancorado por dois hits que você com certeza já ouviu em alguma balada do gênero, Sometimes e I Look to You (com Kimbra), o trabalho fez a festa de quem estava atrás de raves vintage e o clima de bailes de discoteca dos anos 1980. Agora, com All Possible Futures, as coisas se invertem e o panorama é bastante distinto.

A Austrália se tornou um epicentro da Psicodelia e da Indie Disco com nomes como Tame Impala, Pond, Cut Copy e Jagwar Ma, e é isso que sentimos ao longo do novo álbum: diversas referências e mais experimentação. Ao mesmo tempo, Miami Horror deixou de ser o projeto de um homem só, Benjamin Plant, para se tornar um quarteto e a transformação em uma banda propriamente se explica nesse multidirecionamento e até um pouco de falta de foco. Temos exemplos claros do que era feito anteriormente, como as guitarras funkeadas dançantes no ótimo single Love Like Mine e o gosto pelas pistas em Real Slow, ao mesmo tempo em que tudo se tornou muito mais etéreo e viajado.

Quando essa direção parte rumo à dança e ao apreço pelas melodias Pop grudentas, Miami Horror consegue se destacar na cena musical, entretanto muito das novas fronteiras abraçam a Psicodelia de um jeito não tão marcante assim. Colours in the Sky e Wild Motion lembram muitos os pares musicais australianos do grupo (Tame Impala e depois Cut Copy), nos fazendo duvidar que estejamos diante daquela banda que nos entregava a falta de compromisso com o amanhã de forma bastante única.

A sorte é que, ao longo de sua extensão em quinze faixas, retornamos muitas vezes ao que os consagraram de forma ainda mais animadora: Out of Sight é o remédio para falta de Talking Heads na nossa vida, enquanto as famosas guitarras funkeadas deliciosas retornam na curta e sexy (Maybe I Need You) e as melodias viciantes aparecem na abertura American Dream.

Como o próprio título diz, Miami Horror tenta após cinco anos abraçar todas as possibilidades musicais futuras e isso faz a banda entrar em diferentes estilos musicais: Dreampop, Psicodelia, Disco e Música Eletrônica. Talvez a grande faixa que consolide essa ideia de diferentes experimentações seja o ótimo encerramento Forever Ever?, que consegue trazer o Rock Psicodélico às pistas de dança com toques etéreos de muito Acid House clássico. Enquanto tudo é possível, All Possible Futures mostra-se um grande apanhado da atual cena australiana e, mesmo não surpreendendo nas referências, ainda traz uma banda que nos faz querer dançar sem horar pra acabar.

 3,795 total views

BOM PARA QUEM OUVE: Jagwar Ma, Holy Ghost!, Cut Copy
ARTISTA: Miami Horror

Autor:

Economista musical, viciado em games, filmes, astrofísica e arte em geral.