Resenhas

Móveis Coloniais de Acaju – De Lá Até Aqui

Banda brasiliense continua sua peregrinação por sons acalorados e letras românticas que resultam em uma obra fácil e agradável de se acompanhar

 5,309 total views

Ano: 2013
Selo: Som Livre
# Faixas: 14
Estilos: MPB, Indie, Pop Rock
Duração: 56'
Nota: 3.5
Produção: Carlos Eduardo Miranda

É sempre uma delícia ouvir Móveis Coloniais de Acaju e De Lá Até Aqui, terceiro disco lançado pela grande banda de Brasília, não foge à regra. Estrategicamente posicionado no centro do país, o grupo sabe coletar referências e inspirações de diferentes estilos que tocam por aqui e fazer um trabalho empolgante com romantismo e leveza.

Mas não pense que é um trabalho de regionalismos. É mais uma liquidificação daquilo que aparece em rádios e bailes pelo Brasil, aquilo que crescemos ouvindo e que curtimos hoje. Pode ter um pouco de Jovem Guarda, ou mesmo do Roberto Carlos romântico (ah, isso faz parte da gente!), uma pegada mais Soul das antigas, o Rock popular de grandes refrões e emoções e aquele Indie que pega carona na MPB para, aí sim, ter um gostinho regional – ou “nacional”, já que ele percorre toda a pátria amada/idolatrada.

E esse é também o alcance desse som, livre de restrições de idade, poder aquisitivo ou nichos muito específicos. Os arranjos são bem trabalhados e a produção de Carlos Eduardo Miranda soube valorizar a junção dos muitos timbres para o potencial de grandes hits que muitas das faixas tem, como Não Chora, a conhecida Vejo em Teu Olhar ou De Lá Até Aqui, para citar algumas.

Lançado no ápice do inverno, De Lá Até Aqui traz um acalorado som para quem curte acompanhar boas músicas, seja dançando, batucando na mesa ou cantando junto (as letras ou reproduzindo a melodia). Mais que isso, é o tipo de trabalho que quem já acompanha a banda há um tempo vai ficar muito satisfeito em experimentar, com aquele “selo de qualidade Móveis Coloniais de Acaju”.

 5,310 total views

BOM PARA QUEM OUVE: Selton, Banda Gentileza, Mombojó
MARCADORES: Indie, MPB, Pop Rock

Autor:

Comunicador, arteiro, crítico e cafeínado.