Resenhas

Mumford & Sons – Johannesburg

Banda inglesa incorpora sons tipicamente africanos a seu som ao lado de três outros grupos

 2,315 total views

Ano: 2016
Selo: Island Records/Universal Music
# Faixas: 5
Estilos: Folk, Indie Folk
Duração: 20'
Nota: 2.5

Mumford & Sons viaja a outro continente e explora os sons tradicionais daquela terra com músicos locais como uma forma de colocar o “Folk” em “folclórico” e mostrar a inspiração “étnica” tem a ver com o som que a banda faz. Foi assim em 2010 ao lado de Laura Marling e Dharohar Project na Índia e novamente em 2016 no continente africano para o EP Johannesburg.

Os artistas agregados da empreitada vieram de três países: África do Sul (Beatenberg), The Very Best (Malawi) e Baaba Maal (Senegal). Juntos, os sons feitos habitam um meio termo entre o que esperamos do quarteto londrino e o que significaria uma injeção de elementos tipicamente africanos – como a percussão ou grandes coros vocais.

Ngamila é talvez a que melhor representa esse casamento sonoro, já que ela parece algo saído de Wilder Mind após o botão “africanizar”, assim como There Will Be Time faz seu melhor para equilibrar aquilo que é esperado da banda com o clichê do referencial trabalhado. E esse clima impera por todo o lançamento, essa falta de surpresa após termos conhecimento da existência do EP.

São músicas bonitas, algumas até mais do que isso, mas é provável que o disco esteja fadado a matar alguma curiosidade dos fãs e cair em certo esquecimento, assim como aconteceu com o disco indiano há seis anos. Se Johannesburg ao menos parece conseguir incorporar melhor os elementos que temos no imaginário como africanos em comparação ao EP da Índia, o amálgama ainda possui certa artificialidade e, mesmo com o aval de uma tentativa válida concedido pelos fãs, dificilmente quebrará fronteiras para outros públicos.

(Johannesburg em uma faixa: Ngamila)

 2,316 total views

Autor:

Comunicador, arteiro, crítico e cafeínado.