Resenhas

Nevilton – De Verdade

Muita animação em boas músicas caracterizam o primeiro álbum da banda paranaense, que acaba pecando pelo excesso por manter o nível de empolgação sempre muito alto, o que acaba tornando a experiência cansativa

2,013 total views, no views today

Ano: 2011
Selo: YB, Sombrero
# Faixas: 15
Estilos: Indie Pop, Pop Rock
Duração: 49:30
Nota: 2.5
Livraria Cultura: 23009650

O primeiro álbum da banda paranaense Nevilton é um trabalho de exagero nas pequenas coisas. Explico: De Verdade reúne diversos elementos que costumam fazer um som divertido e aposta no efeito que eles tem juntos, mas o resultado peca pelo excesso.

O último ano foi decisivo para o sucesso da banda, na ativa desde 2007. O EP Pressuposto (2010) colecionou elogios por todos os cantos e levou o Nevilton por shows no Brasil inteiro e até mesmo em Los Angeles, além de abrir para o Green Day, dividir o palco com Erasmo Carlos e ganhar o prêmio Multishow na categoria Aposta. Com um currículo desses, é curioso que eles ainda precisem se esforçar tanto para tentar nos agradar.

É um “ô, ô, ô” aqui, um “papaparapapa” ali, muitos riffs e viradas de bateria para acompanhar a voz simpática do músico que dá nome ao projeto, em versos que ou não comunicam muita coisa, ou se perdem no apelo pop que a combinação de tudo isso gera, como “Viver em paz com quem quer que seja, ouvindo música e bebendo cerveja”.

O som até consegue divertir, mas nem sempre agradar. Logo de início, as três primeiras faixas não dão muito respiro ao ouvinte, demandando uma energia que inevitavelmente acaba ao longo das 15 canções. Além disso, fica a sensação que elas são um pouco parecidas demais, tornando a experiência de ouvir o disco ainda mais cansativa. Nesse contexto, Ballet da Vida Irônica, Vitorioso Adormecido e Bolerothèque se destacam facilmente por uma levada um pouco diferente, até mesmo parecendo menores que as outras músicas.

De Verdade acaba sendo um álbum pra se balançar os pés e a cabeça enquanto ouvi-lo, do tipo que funciona em uma festinha caseira como música de fundo, mas tem pouco apelo para ser ouvido sempre, ou mesmo em playlists mais cotidianas. Fica a impressão também que as músicas seriam melhor aproveitadas individualmente, e não compiladas de uma só vez.

2,014 total views, 1 views today

BOM PARA QUEM OUVE: Metronomy, CSS, Copacabana Club
ARTISTA: Nevilton
MARCADORES: Indie Pop, Pop Rock

Autor:

Comunicador, arteiro, crítico e cafeínado.