Resenhas

Nick Cave and The Bad Seeds – Push The Sky Away

Carregado de teatralidade e de uma atmosfera onírica, disco novo do histórico grupo emociona do começo ao fim

3,597 total views, no views today

Ano: 2013
Selo: Bad Seed Ltd.
# Faixas: 9
Estilos: Post-Punk, Rock Alternativo
Duração: 42:40
Nota: 4.0
Produção: Nick Launay

Motivação é sempre uma questão fundamental relacionada a qualquer ofício. O que esperar quando se está há mais 30 de anos fazendo a mesma coisa? Como se renovar sem parecer forçado, como continuar amando o seu trabalho? Em seu 15º disco junto ao seu inseparável grupo, Nick Cave and The Bad Seeds traz uma obra densa, atmosférica e à altura de sua carreira em Push The Sky Away.

Nick parece querer dosar mais o seu tempo, voz e clima após a sua aventura mais roqueira e suja com a banda Grinderman, feita com integrantes do Bad Seeds. Vemos aqui um trabalho mais orquestrado, cheio de acordes construídos em cordas mais elaboradas como violinos e o violoncelos. Sua voz, carregada de teatralidade, contracena de forma exemplar em músicas feitas como trilha sonoras mundanas, adaptáveis a vida de quem escuta música como uma pessoa comum. Lindo do começo ao fim, Push The Sky Away nos faz acreditar em letras oníricas, como o próprio Cave ousa dizer em diversos trechos.

Jubilee Street, single e carro-chefe do disco, aborda a história de uma prostituta morta na rua de mesmo nome. Como em um filme, somos introduzidos ao personagem principal para depois a trama se encerrar de forma trágica, sem deixar cantor e ouvinte tocados. Nick é um narrador onisciente na história e despeja todo o seu amor: “And here I come up the hill, I’m pushing my wheel of love /I got love in my tummy and a tiny little pain”. Uma bela linha de guitarra, auxiliada por uma percussão espaçada fazem desta a melhor música do disco. No entanto, diferentemente de álbuns que se resumem a um single, temos aqui excelentes canções que emocionam e fazem Nick ecoar uma voz do além que lembra os momentos derradeiros do grande Johnny Cash.

Vemos Cave conversando com o ouvinte em canções como Finishing Jubilee Street, em que o mesmo conta o final de seu processo de composição e como se sentiu conectado com a história: “And I flew into a frenzy searching high and low /Because in my dream the girl was very young”. Transborda suspense na densa Water’s Edge, uma canção assustadora, rasgada e profunda “But you grow old and you grow cold”. Na bela Mermaids, a sinceridade percorre as cordas vocais desse quase senhor de 55 anos. “I believe in God/I believe in mermaids too /I believe in 72 virgins on a chain (why not, why not)”, diz este irônico e por que não, verdadeiro cantor.

Digo isso pois é impossível não imaginar-se na época dos grande cantores americanos da década de 1950. O poder de sua voz o torna um poeta no palco, transformando pensamentos e poemas em canções que não se esquecem da vida contemporânea. Quer um nome melhor para um música do que Higgs Boson Blues, em que Cave diz estar dirigindo rumo a Genebra, cidade deste experimento que descobriu a “partícula de Deus”, última peça de um quebra-cabeça existencial científico. Assim como os cientistas se vêem sem quase nada para provar, deixando-os perplexos, Nick também parece estar vendo o mundo como um espectador estático, cético e talvez confuso. O Blues ainda brinca com celebridades da música Pop atual em cenários pitorescos como Hannah Montana em uma Savana, e Miley Cirus morta em uma piscina no Lago Toluca.

A atmosfera não chega a sair do limiar dos sonhos em nenhum momento, criando somente diferentes texturas sonoras para o que parece ser uma epifania sonora de Nick e os seus Bad Seeds. Um turbilhão de emoções acaba sendo o resultado de uma perfeita sintonia entre voz e banda, transformando o disco na trilha sonora perfeita para um momento reflexivo, em qualquer lugar ou situação. Se você nunca teve a chance de chegar perto de um disco de Cave, agora é certamente o timming certo para mergulhar em um grupo que, no auge de seus 30 anos de carreira, parece se renovar com uma motivação ímpar na criação de pequenas belezas sonoras.

3,598 total views, no views today

Autor:

Economista musical, viciado em games, filmes, astrofísica e arte em geral.