Resenhas

Nick Waterhouse – Holly

Segundo disco do músico expande sua musicalidade, porém ainda mantendo aquele clima vintage

 1,919 total views

Ano: 2014
Selo: Innovative Leisure
# Faixas: 10
Estilos: Rock & Roll, R&B, Soul
Nota: 3.0
Produção: Nick Waterhouse e Kevin Augunas
SoundCloud: /tracks/128242977

Diferente de Time’s All Gone (2012), o novo disco de Nick Waterhouse parece mais aberto a outras referências e sonoridades, por mais que o R’n’B dos 50 e 60 e o proto-Rock’n’Roll continuem como sua principal base sonora. Em Holly, aquele clima retrô de sua música continua presente e ganha ainda mais força ao se saber a forma com que o álbum foi produzido. Gravado (em mono) em um antigo estúdio em que nomes como Phil Spector e The Beach Boys já passaram, o álbum apresenta timbragens típicas da época, resultado de uma aparelhagem vintage usado pelo músico.

Limpando bastante seu som (deixando o pouco ruído do disco passado para trás) e abrindo um novo leque de influências, Waterhouse consegue agrupar um seleto grupo de referências ao seu repertório, nomes que vão de Booker T e Ray Charles (Dead Room) a outros como Van Morrison (Well It’s Fine), além de influências do Jazz em sua vertente mais R’n’B (Hands On The Clock) e do Blues (Let It Come Down). O resultado soa mesmo como o passado e se você procura alguma novidade por aqui, sinto em lhe desapontar, mas você não encontrará. Ainda assim, a obra ganha destaque por repensar a música feita a 50 ou 60 anos atrás e por a recriar com novo fôlego nos dias de hoje.

O disco ganha também com uma instrumentação mais completa e bem executada. A guitarra ganha uma maior variedade e versatilidade em diversas faixas (contando ainda com a participação de Ty Segall em It #3), a bela apresentação de um conjunto de metais (em This Is A Game, música que pode lembrar os singles do primeiro álbum do músico, ou a Let It Come Down), a consistente presença de piano (Hands On The Clock) e do órgão (Ain’t There Something That Money Can’t Buy) e uma ótima percussão (Sleepin’ Pills), somam mais alguns pontos nesse quesito e, se comparado com o antecessor, essa área se mostra bem superior.

 1,920 total views

BOM PARA QUEM OUVE: Allah-Las, Alabama Shakes, Amy Winehouse
MARCADORES: R&B, Rock & Roll, Soul

Autor:

Apaixonado por música e entusiasta no mundo dos podcasts