Resenhas

Nina Persson – Animal Heart

Sem se rotular como uma diva Pop, cantora produz um bom disco maduro e com boas faixas

 3,279 total views

Ano: 2014
Selo: Lojinx
# Faixas: 13
Estilos: Pop
Duração: 43:25
Nota: 3.5
Produção: Nina Persson, Nathan Larson e Eric D.Johnson

Toda época tem suas divas pop. Umas mais espalhafatosas, outras mais misteriosas, umas poucas se tornam privilégio de poucos. Nina Persson talvez rejeite essa imagem de diva Pop, alegando que sua banda, The Cardigans, nunca chegou a ser um fenômeno mundial, talvez arranhando essa condição em 1997, quando lançou seu terceiro disco, First Band On The Moon, puxado pelo sucesso de Lovefool. Mas Nina, essa bela representante da mitologia da mulher sueca em sua variação cantante, há de convir que muitos jovens que prestavam atenção à música dos anos 90 podiam ser facilmente fisgados por sua beleza space age revivalista.

Demorou um bom tempo para que a moça fizesse um disco em que assumisse toda a responsabilidade. Mesmo com presença marcante em Cardigans, à frente de uma bem azeitada formação que transitava pelo pop dourado dos anos 60 com olhar nostálgico dos 90, Nina permanecia com um low profile que só aumentava seu charme. Dona de uma boa voz, a moça nunca havia cantado até entrar para a banda, nos idos de 1992. Em 2001 ela partiu para o projeto paralelo A Camp, lançando um disco homônimo. O último lançamento de Cardigans ocorreu em 2005. Quatro anos , Nina surgiu à frente de Colonia, segundo disco de A Camp. Dessas experiências vieram, finalmente, as canções de Animal Heart. A ideia era conceber um disco de pop moderno, com acenos a timbres que variam de procedência e intensidade. Nada que pudesse ser definido como triste ou contemplativo, muito menos equizofrenicamente dançante e libertador. É um trabalho intensionalmente contido, cheio de nuances sônicas, daquelas que pedem por uma audição com fones de ouvido para que seja possível descobrir pequenas maravilhas aqui e ali.

A faixa título abre o disco com uma batida aerodinâmica, pontuada por efeitos que poderiam constituir um convite a uma dança menos intensa que o esperado. Clip Your Wings é intencionalmente pop anos 80, típica de artistas como Kim Carnes ou Cyndi Lauper. “Forgot To Tell You” é uma pequena jóia de ourivesaria melódica que poderia estar nas paradas de sucesso dos anos 70, enquanto a levada semidançante de Food For The Beast a faz parecer uma irmã mais velha de Lovefool. A levada de bateria eletrônica evidente em Catch Me Cryin remete a uma cruza de conterrâneos, no caso, de Abba e Roxette, sem exageros, sob um globo de espelhos meio decadente. O teclado emulando som de realejo em Silver Like The Moon remete a uma dessas baladas sonhadoras, enquanto This Is Heavy Metal, engana os mais afoitos fãs de sons pesados, pegando emprestado o termo e estampando uma brejeira balada voz/piano.

A produção em conjunto com o marido Nathan Larson e o integrante dos Shins, Eric D.Johnson conseguiu obter uma sonoridade atual, mas que não se preocupa com ditames estéticos ou modismos. Animal Heart é um trabalho maduro, cheio de bom gosto, boas canções e que faz jus a uma Nina Persson à beira de completar seus 40 anos, cheia de lenha pra queimar.

 3,280 total views

ARTISTA: Nina Persson
MARCADORES: Pop

Autor:

Carioca, rubro-negro, jornalista e historiador. Acha que o mundo acabou no meio da década de 1990 e ninguém notou. Escreve sobre música e cultura pop em geral. É fã de música de verdade, feita por gente de verdade e acredita que as porradas da vida são essenciais para a arte.