Resenhas

Okkervil River – The Silver Gymnasium

Não estranhe ao se deparar com um dos grandes álbuns do ano sem querer. Após um grande período de estrada, o grupo norte-americano encontra a sua obra definitiva.

 2,758 total views

Ano: 2013
Selo: ATO
# Faixas: 11
Estilos: 49:00
Nota: 4.5
Produção: John Agnello

Quando se conhece uma banda após seis discos, algo parece estar errado. Ou ela nunca teve o seu conhecimento prévio, o que é realmente uma pena, ou pior ainda, talvez não tenha alcançado o seu real valor diante do grande público. Longe de um drama tão grande, o Okkervil River surgiu no século passado, em 1998, e não demorou 15 anos para alcançar o estrelato mas talvez tenha esperado tanto tempo para poder lançar a sua obra definitiva, The Silver Gymnasium.

Imaginado para ser tocado em grandes arenas, tem na figura de seu vocalista, Will Sheff, o grande virtuosismo de uma banda que parece ter tudo já muito bem encaixado após tanto tempo de estrada. A voz do líder combina entre o Pop melódico de grandes figuras da música e ao misturar-se em uma orquestração de backing vocals consegue capturar uma vibração extremamente emocionante. Por isso que do começo ao fim a obra deixa no imaginário um grande concerto, seguido de diversos músicos de apoio. Dificilmente você não irá se ver cantando a trinca de faixas de abertura It Was My Season, On a Balcony e Down Down the Deep River como se fossem conhecidas a muito tempo, mesmo após a primeira audição.

Cativante no cuidado com acordes de guitarra bem colocados, ou elementos inseridos com precisão fazem com que cada música seja uma comunhão entre artistas e ouvintes. Aqui o Pop pega um pouco do Folk, o melhor do Indie Rock do começo da década e consegue transformá-lo em um dos momentos mais agradáveis que tive a chance de me deparar neste ano.

São em faixas crescentes como Lido Pier Suicide Car ou Where the Spirit Left Us que a percepção do quão bonito é este disco chega a mente de cada um. A dedicação e sinceridade é notável em cada momento, como se a vida de cada um deles dependesse desta obra, algo realmente apreciável. As letras também tem grande relevância aqui. A quase barítona, White, tem um toque à la National, seja em sua musicalidade ou nos confessionais versos “Winter is here, it’s slowing down Winter is here I don’t want me around”.

Mas os aplausos ficam guardados para uma das melhores músicas do ano: Stay Young. Quase um gospel, Will parece um pastor ao derramar as frases sobre a fugacidade da juventude e a necessidade de se manter jovem. A constatação aqui é de que os seus amigos seguem com a suas respectivas vidas, ganhando o seu dinheiro enquanto um mundo ao seu redor só estará ao seu lado uma vez. Você só tem uma vida, talvez um amor na vida e porque perdê-lo fazendo algo que desgosta? A guitarra swingada, as diversas transições vistas e o espírito muito mais positivista que dramático fazem desta música um momento realmente único em 2013 quando seguidas do trecho:“All these hateful people judging and hand bringing Lord, why don’t you bury me in all they call sinning? Open up your heart, show me the place where love is missing How long have you been missing love?”, acabam deixando até a pessoa mais fria, emotiva.

Ao escutar The Silver Gymnasium pela segunda vez é que podemos constatar como tudo parece fazer sentido. As letras não são meros adereços e sim composições interessantes, a orquestração parece ter uma preocupação em conseguir transmitir tudo o que cada um dos músicos deseja como a bela gaita em Stay Young ou os trompetes da maravilhosa e feita para escutar-abraçado-em-um-show, All the Time Every Day. Tudo parece ser a exibição de uma banda realizando o seu melhor trabalho e não se deixa iludir por nunca tê-los escutado antes, mesmo com tanto tempo de carreira, o Okkervil River parece criar a obra definitiva para elevar o seu espírito todo dia em um disco que passa felicidade e alegria em cada faixa.

 2,759 total views

BOM PARA QUEM OUVE: Nada Surf, The Thrills, Vampire Weekend
MARCADORES: Folk, Indie Rock, Ouça

Autor:

Economista musical, viciado em games, filmes, astrofísica e arte em geral.