Resenhas

Robert Pollard – Honey Locust Honky Tonk

Adotando o modelo de grande número de faixas, porém de curta duração, Pollard apresenta boa instrumentação e coesão entre as canções

 2,171 total views

Ano: 2013
Selo: GBV Inc.
# Faixas: 17
Estilos: Indie Rock, Rock Alternativo
Duração: 33:57
Nota: 4.5
Produção: Robert Pollard
Itunes: http://clk.tradedoubler.com/click?p=214843&a=2184158&url=https%3A%2F%2Fitunes.apple.com%2Fbr%2Falbum%2Fhoney-locust-honky-t

Cada vez se comprova mais e mais que Guided by Voices e seus membros são imparáveis. Após a banda lançar quatro discos em apenas dois anos, Robert Pollard – principal compositor e líder da banda – acaba de lançar Honey Locust Honky Tonk, seu décimo nono álbum de estúdio da carreira solo, e o terceiro durante os mesmo dois anos.

Após boa recepção da crítica com Jack Sells the Cow, lançado em 2012, Honey Locust Honky Tonk mantém a qualidade já conhecida e aguardada de Robert. Com estruturas vocais e instrumentais bem coesas e diretas, nos resgatando para a música noventista que todos os fãs de Pollard tanto apreciam e esperam. Apesar da grande quantidade de faixas, o álbum segue a mesma linha dos discos do GBV, trazendo músicas de curta duração, beirando entre um minuto e meio a dois minutos e meio, e com alguns interlúdios, o que explica a duração do álbum em pouco mais de 30 minutos. O resultado é um álbum carregado de mensagens (devido à extensão de faixas), mas direto, reto, devido à duração das canções.

Pensar que fazer um álbum, até certo ponto, conceitual (nesse sentido de duração versus número de faixas) é para qualquer um, se configura como um grande engano. Apenas grandes músicos conseguem fazer com que todos os segundos, mesmo daquelas músicas curtas, sejam importante e indispensáveis em sua obra, e é isso que Pollard faz em Honey Locust Honky Tonk. Além disso, consegue construir um ritmo contagiante e dignamente Rock ‘n’ Roll – mesmo trazendo um pézinho no Country/Folk, que por sinal dá um charme a mais para esse ótimo disco.

Escolher apenas uma faixa do álbum acaba sendo uma injustiça. Porém, algumas merecem seu destaque, como as dinâmicas Suit Minus the Middle, de apenas 51 segundos, e I Wanna Drink, de apenas 44 segundos e que serve como introdução para a seguinte, Flash Gordon Style. Além dessas, temos a tocante Airs, resposável por fechar a obra, e Her Eyes Play Tricks On the Camer, que parece lhe transportar para o meio de um deserto no Meio Oeste americano tamanha a capacidade imaginativa e envolvente da canção – que também pode ser expandida para as demais dezesseis.

Honey Locust Honky Tonk serve como prova de que não é preciso de músicas longas, ou de complexidades para se impressionar o ouvinte. Entretanto é totalmente necessário saber o que se faz ao empunhar uma caneta, uma guitarra e um microfone. E isso Pollard sabe muito bem, e mostra que ainda tem muito para nos fornecer. Simplesmente música de gente grande para gente grande.

 2,172 total views

Autor:

Marketeiro, baixista, e sempre ouvindo música. Precisa comer toneladas de arroz com feijão para chegar a ser um Thunderbird (mas faz o que pode).