Resenhas

Ryan Hemsworth – Guilt Trips

Disco de estreia do produtor tange bastante o Hip-Hop e quase não o toca diretamente. Entretanto, cria a partir de referências próprias um estilo que ainda é incerto, mas promissor

 1,981 total views

Ano: 2013
Selo: Last Gang
# Faixas: 10
Estilos: Eletrônico, Hip Hop
Duração: 36:01
Nota: 4.0
Produção: Ryan Hemsworth

Dentre todas as milhares de referências que vemos na esperada estreia de Ryan Hemsworth, o Hip-Hop é a mais notável. Não através de rimas, mas de batidas que percebidas de fundo nas canções, trazem sempre a cadência, virada e climas habituais do gênero. No entanto, o que mais se destaca aqui é a precisão na escolha das participações especiais de Guilt Trips.

O nome não mente quando a psicodelia misturada a música negra transforma cada faixa do disco em uma verdadeira viagem. Small + Lost com Sinead Harnett é extremamente delicada, como o título da canção se propõe a mostrar. Against a Wall joga as primeiras rimas ao longo de batidas quebradas mas extremamente compreensíveis. O Hip-Hop é notado, mas mesmo assim não é nada destacado como se fosse somente um elemento alheio no meio da criação.

Will Wiesenfeld é muito bem-vindo em Still Cold, momento mais confessional e emotivo de toda a obra, o verso que mais parece um hino da sinceridade desponta no trecho “it’s almost funny that you’re still so cold, and I think you worth the bullshit”. O lado de remixes que o lançou na música surge em Weird Life, música que lida de outra maneira com a famosa música do filme Transpotting, Born Slippy. Nada parece muito brilhante, mas extremamente agradável e realista na música eletrônica.

O grande momento reside no encerramento Day/Night/Sleep System quando todo o Hip-Hop transcrito de forma silenciosa, quase escondido, surge. A participação do rapper Kitty coincide perfeitamente com a construção da faixa, que se utiliza do lado moderno do gênero, cheio de elementos eletrônicos e levadas mais escurecidas e transforma a música no grande destaque de todo o disco.

Sem soar Pop em nenhum momento, mantendo toda a autoridade e sabendo dosar bem as suas referências que vão desde de Flying Lotus até Massive Attack, Ryan cria uma boa obra introdutória a um lado desconhecido do músico. Famoso por remixes de Danny Brown à Cat Power, o estilo próprio do produtor parece estar sendo lapidado. Longe do brilhantismo mas ainda mais distante do obscurantismo, Hemsworth demonstra que podemos esperar muito dele no futuro.

 1,982 total views

BOM PARA QUEM OUVE: J Dilla, Flume, Madeon
MARCADORES: Eletrônico, Hip Hop

Autor:

Economista musical, viciado em games, filmes, astrofísica e arte em geral.