Resenhas

Sofi Tukker – Soft Animals

Duo oferece experiência tão subjetiva quanto dançante em EP de estreia

2,971 total views, 1 views today

Ano: 2016
Selo: Ultra Records, LLC
# Faixas: 6
Estilos: Eletrônica, House
Duração: 26'
Nota: 4.0
SoundCloud: /tracks/207481791

A pergunta que imediatamente é feita ao ouvirmos Soft Animals é se a dupla Sofi Tukker é brasileira ou qual sua relação com o Brasil, já que duas de suas faixas trazem poemas do artista Chacal como letra e há um quê muito tupiniquim em timbres, percussões e no aspecto geral de algumas de suas composições.

Pois a resposta é simples: Sophie Hawley-Weld, embora nascida na Alemanha, considera-se “brasileira no coração” (ela passou um semestre morando por aqui), daí essa musicalidade fluir assim, meio verde e amarelo. Ao procurar essas informações, porém, encontramos um pequeno fato que explica ainda melhor as escolhas estéticas que o duo faz: Os dois se conheceram em uma galeria de arte.

Na narrativa sobre o recente projeto (este é seu primeiro EP), esse cenário diz muito sobre o espírito múltiplo, imersivo e subjetivo que suas músicas carregam. As palavras de Chacal são usadas claramente como mero som, não como significado, enquanto sofrem influência de cantos da yoga no hit Drinkee, o que só alimenta a abstração que as faicas podem trazer para o ouvinte, quer ele entenda uma das línguas cantadas ou não.

Assim como obras expostas na parede podem fazer, essas músicas oferecem um estado contemplativo interessante, naquela mesma sensação de mirar um quadro por muito tempo até que se perca a noção de tempo e espaço. Aqui também é assim, só que você faz isso dançando.

Em altíssima qualidade de produção e no uso da linguagem da música Eletrônica, Sofi Tukker oferece uma obra que chega mais carregada de possibilidades do que a grande maioria dos lançamentos do gênero e ainda cumpre bem seu papel se o que o ouvinte quiser for ignorar tudo isso e apenas dançar.

2,972 total views, 2 views today

ARTISTA: Sofi Tukker
MARCADORES: Eletrônica, House, Ouça

Autor:

Comunicador, arteiro, crítico e cafeínado.