Resenhas

The Cast of Cheers – Family

Segundo disco da banda faz um bom trabalho ao se inspirar na fonte das quais bandas como Foals e Maps & Atlases beberam

 1,608 total views

Ano: 2012
Selo: Schoolboy Error
# Faixas: 10
Estilos: Math Rock, Math Pop
Duração: 35:00
Nota: 4.0
Produção: Luke Smith

Family poderia ser considerada uma continuação de Antidotes (2008), disco de estreia do Foals. Não estou dizendo que esta é uma cópia, mas que The Cast Of Cheers segue aquele mesmo rumo com seu Pop angular que os ingleses seguiam na época de seu primeiro lançamento e, assim como o de outras bandas do estilo, o som é irresistivelmente dançante e rende boas músicas para baladas indies espalhadas pelo mundo.

O primeiro trabalho do grupo, lançado em 2010, tinha uma pegada ainda mais dançante e que flertava bastante com o Dance Punk do começo década de 2000. Chariot mantinha em 90% das faixas um ritmo acelerado e frenético que pode ser visto em algumas de Familiy, como They Call it a Race, Trucks At Night e Goose (que estava presente também no primeiro álbum), mas também apresenta um contraste, desacelerando o ritmo em músicas como Palace and Run e Go Getter.

A faixa de abertura também carrega o nome do álbum e a responsabilidade de ser seu single principal. O que consegue fazer com êxito, seus riffs pegajosos e o seu refrão de fácil assimilação, faz da canção uma daquelas que, ao fim do disco, é impossível não ficar cantarolando sua melodia. O segundo single, Animals, também ganha destaque no quesito “músicas que não sairão da sua cabeça” – com um ritmo contagiante, guitarras angulares e um baixo pulsante, a faixa é uma das melhores dentre as dez que formam Family.

Fora os grandes singles, o álbum também apresenta músicas que conseguem manter o ritmo e não estão lá só para preencher o disco. A animada Posé Mit tem uma sólida e pulsante linha de baixo e uma percussão bem rica que culmina em um ataque furioso ao chimbal. Human Elevator, com seu clima dançante e baladeiro, é uma daquelas que entrariam no set de qualquer festa facilmente. Fechando o trabalho, They Call It a Race lembra bastante a vibe de Chariot e não perde em nada a pegada animada e festeira do álbum.

O segundo disco dos irlandeses bebe da fonte do Math Rock, mas apresentam uma roupagem diferente e com uma estética mais Pop e bem mais acessível, na qual os elementos do estilo surgem de forma mais branda. E, como um bom disco do gênero, já pode-se esperar que cada música fosse para um rumo, explorando um ritmo diferente em cada faixa, o que pode render comparações com bandas como a já dita Foals, Maps & Atlases e Tubelord. Se você gosta de comparações, pode ainda colocar o Vampire Weekend na jogada pela faixa Marso Sava, que carrega bastante da vibe tribal da banda nova-iorquina.

 1,609 total views

BOM PARA QUEM OUVE: Tubelord, Maps & Atlases, Foals
MARCADORES: Math Pop, Math Rock

Autor:

Apaixonado por música e entusiasta no mundo dos podcasts