The Chemical Brothers – Born In The Echoes

Dupla britânica volta com disco digno de sua carreira

2,082 total views, 5 views today

Ano: 2015
Selo: Virgin - EMI
# Faixas: 11
Estilos: Rock Alternativo, Dance Music, Eletrônica
Duração: 52:31
Nota: 3.5
Produção: The Chemical Brothers

Não gosto de pensar na Música como uma linha cronológica reta, na qual se parte do passado para o futuro, mas, sempre que ouço algo de The Chemical Brothers, essa ideia de avanço e conquista me vem à mente. Acredito que o filão de música Eletrônica engendrado por Tom Rowlands e Ed Simons no início dos anos 1990 levou a produção musical planetária a dar seu último passo em direção ao futuro. A síntese do aprendizado do melhor do Rock independente britânico dos anos 1980, devidamente colocado em contato com a herança do Hip Hop, da música negra americanos e as invenções da conexão Kraftwerk/Eno/Bowie, tudo coexistindo em caótica harmonia numa pista de dança mutante e subterrânea. É música individual, feita em casa, influenciada pela urbanidade, pela modernidade e pensada para frente, cheia de informação. Acredito que, ainda hoje, 20 anos depois de sua estreia, os sujeitos sejam a fronteira final. E quando eles ressurgem e lançam um álbum como Born In The Echoes, essa certeza só se confirma.

Se descontarmos a trilha do filme Hanna e álbum ao vivo Don’t Think, os “Químicos” não lançavam nada autoral e inédito desde 2010. Houve tempo suficiente para reconduzir sua locomotiva aos trilhos, uma vez que este último trabalho acusava certos sinais de exaustão na fórmula musical dos sujeitos, urdida na construção de canções com arcabouço percussivo/barulhento e na tradicional participação de convidados: Born In The Echoes traz Cate Le Bon, St.Vincent (assinando com seu nome real, Annie Clark), Q-Tip, Ali Love e Beck.

O primeiro single do disco, Sometimes I Feel So Deserted, lançado em abril, recupera a dança pura e simples, via batida hipnótica, linhas de baixo matadoras e vocais processados que lembram os de Prince no início de sua carreira. Quando o outro compacto extraído do disco, Go, chegou aos ouvidos mundiais, outro segmento primordial do ideário da dupla foi resgatado, a saber, a atualização da música negra americana, sobretudo a concebida a partir da década de 1980, tangente ao Hip Hop. Vocais e batidas secas a cargo do venerável Q-Tip conferem precisão e apreço pela dança. O refrão e o clima da faixa mostram que Daft Punk não é a única dupla capaz de revisitar esses terrenos com genialidade. Under Neon Nights, a faixa seguinte, traz vocais da enigmática St.Vincent e um clima psicodélico-futurístico cheio de borbulhas sonoras inclassificáveis mas pra lá de interessantes.

Os vocais de Ali Light, que já colaborou com a dupla em 2007, dão uma fantasmagórica humanidade à sintética EML Ritual, enquanto mais psicodelia robótica assombra a canção seguinte, I’ll See You There e múltiplas percussões – humanas ou não – conduzem a linha Techno de Just Bang. Reflexion mistura noções Ambient com alguma ressonância oitentista, mas fraseados anárquicos de teclados parecem conectá-la diretamente com alguma sessão de gravação de The Beatles em 1966/67, tamanha a semelhança com certos timbres revolucionários do passado (que nunca passa). A dobradinha Taste Of Honey/Born In The Echoes traz a voz de Cate Le Bon e uma dupla visão da mesma moeda. Enquanto a primeira prepara o ouvinte para mais uma faixa lenta e cheia de imagens, a segunda chega no meio do processo e enfia uma batida dançante “orgânica” e infalível, tudo unido pela voz de Le Bon. A faixa-título é algo novo no cânon dos Irmãos, algo que poderia ser lançado por Beck em início de carreira. Falando nele, após uma matinal Radiate, sua voz passeia em Wide Open, a faixa de encerramento do álbum. Com quase seis minutos e estrutura convencional, a canção privilegia os bons vocais e uma levada com clímax instrumental/contemplativo, mas cheia de ecos oitentistas.

O novo disco de The Chemical Brothers é eficiente, classudo e digno de figurar numa carreira tão arrojada. É inferior aos três primeiros trabalhos da dupla, quando misturaram como ninguém as informações musicais de três décadas, mas faz bonito num meio musical tão efêmero quanto o da Música Eletrônica.

2,083 total views, 6 views today

Autor:

Carioca, rubro-negro, jornalista e historiador. Acha que o mundo acabou no meio da década de 1990 e ninguém notou. Escreve sobre música e cultura pop em geral. É fã de música de verdade, feita por gente de verdade e acredita que as porradas da vida são essenciais para a arte.