Resenhas

The Futureheads – Rant

Com quatro discos na bagagem, o ingleses decidem inovar e fazer um disco todo a capella. Se você é um fã da banda, prepare-se pra ouvir um dos discos mais divertidos que ela já fez

 1,674 total views

Ano: 2012
Selo: Null Records
# Faixas: 11
Estilos: Capela, Post-Punk
Duração: 32:21
Nota: 3.0

Esse é um álbum que não vai apresentar a banda pra ninguém – se você não é fã ou não conhece a The Futureheads, esse vai ser só mais um disco qualquer (e estranho). Agora, se você é um fã ou pelo menos conhece algumas músicas do grupo, vai se divertir bastante com Rant.

Depois de quatro discos convencionais, a banda decide inovar e fazer um disco todo a capella. O desafio foi trazer os arranjos dos trabalhos anteriores para esse formato, trazer as influências da New Wave e Post-Punk e sumir com os instrumentes ao mesmo tempo – um trabalho e tanto com o resultado final bem divertido.

Tirada do primeiro disco do grupo, Meantime abre este trabalho e já mostra logo de cara essa nova proposta e roupagem dadas às músicas. Suas bocas são suas guitarras e ainda conseguem manter a mesma harmonia da original. Robot e Man Ray, também do primeiro álbum, são outras que marcam presença aqui, a segunda fechando o disco.

Alem das canções do grupo, o disco ainda conta com um cover de Black Eyed Peas, Meet Me Halfway, e Sumer Is Icumen In, uma música folclórica inglesa escrita no século XIII. Para completar as canções emprestadas de outros lugares, há ainda The No.1 Song in Heaven do Sparks.

Muitas músicas ficaram de fora, como os hits A to B e Decent Days and Nights e faixas do novo disco The Choas. A banda poderia ter trabalhado melhor na hora de escolher o set. Mas, no fim das contas, esse é um disco divertido – de “inovador” não tem nada, mas rende bons 32 minutos de diversão.

 1,675 total views

MARCADORES: Capela, Post-Punk

Autor:

Apaixonado por música e entusiasta no mundo dos podcasts