Resenhas

The Gaslight Anthem – The B Sides

Banda continua a mostrar seu som forte nesta coletânea de lados B inéditos

 2,056 total views

Ano: 2014
Selo: Side One Dummy
# Faixas: 11
Estilos: Rock, Indie
Duração: 33:46
Nota: 4.0
Produção: Ted Hutt

O Punk Rock é um estilo que pode trazer detalhes interessantes. Como sempre foi um canto vindo das ruas, do pessoal mais pobre, em alguns momentos específicos na História, houve a associação de formações Punk com gêneros de música negra. Na Inglaterra, por exemplo, havia o Reggae e o Ska, duas vertentes jamaicanas de sons, que vieram juntar-se o som das guitarras. Desta ação miraculosa, emergiram The Clash e as bandas Two Tone com uma sonoridade mais malandra, menos pesada, com mais groove e ritmo, sem, no entanto, perder o fio das letras. Nos Estados Unidos, de vez em quando, bandas de origem equivalente, flertam com Soul Music e obscuridades em geral, com excelentes resultados. O quarteto de New Brunswick, Nova Jersey, é um exemplo dessa mistura.

Formado em 2005, The Gaslight Anthem logo assumiu outra influência capital em seu som: Bruce Springsteen. Desde o primeiro disco, Sink Or Swim, lançado em 2007, Brian Fallon (guitarra, vocais), Benny Horowitz (bateria), Alex Levine (baixo) e Alex Rosamilia (guitarras), revestiram suas canções com estas duas fontes de inspiração. A partir do ano seguinte, o grupo iniciou seu período mais fértil, quando assinou com a gravadora Side One Dummy, o que resultou em dois belos discos, The 59’Sound (2008) e American Slang (2010) e um aumento considerável de projeção internacional, a partir do abraço de Bruce Springsteen em pessoa, quando se juntou ao grupo no palco do Hyde Park, em 2009. Até então em turnê como atração de abertura para o Social Distortion, The Gaslight Anthem foi escolhido pelo próprio Bruce para o show de Londres, lançado no ano seguinte como DVD/Blu-Ray.

A partir daí, a banda excursionou pelos festivais mais badalados da Europa e construiu uma base sólida de fãs. Ao longo desse período, Gaslight lançou vários singles e 7″, sempre com versões alternativas de suas canções, além de covers e registros ao vivo. Essa compilação é focada nessas maravilhosas interpretações, típicas de banda iniciante, cheia de lenha pra queimar. Mesmo que todas as suas faixas tenham saído na caixa de vinis Singles Collection: 2008-2011, que teve poucos exemplares confeccionados, é de se louvar o lançamento para uma audiência maior. Grandes momentos podem ser encontrados na cover fidélissima de State Of Love And Trust, canção do Pearl Jam, que integrou a trilha sonora do filme Singles, em 1992. As versões acústicas de The 59’Sound, Queen Of Lower Chelsea, Antonia Jane e Great Expectations chegam muito próximo dos registros originais e outra cover, dessa vez para Tumbling Dice, dos Rolling Stones, merece aplausos de Jagger e Richards.

The Gaslight Anthem saiu da Side One Dummy em 2011 e assinou com a Mercury no mesmo ano, tendo gravado um belo disco de inéditas em 2012, Handwritten, mostrando que Brian Fallon é um discípulo aplicado da cartilha springsteeniana de trovador das classes menos favorecidas, destes que abraçam o rock como fé. Esperamos por uma nova compilação de lados B, pois a banda colocou versões incendiárias para petardos como Sliver (Nirvana) e You Got Lucky (Tom Petty) na versão de luxo de Handwritten. Bravo.

 2,057 total views

MARCADORES: Indie, Rock

Autor:

Carioca, rubro-negro, jornalista e historiador. Acha que o mundo acabou no meio da década de 1990 e ninguém notou. Escreve sobre música e cultura pop em geral. É fã de música de verdade, feita por gente de verdade e acredita que as porradas da vida são essenciais para a arte.