Resenhas

The Weeknd – Kiss Land

Novo disco do cantor de R&B segue as mesmas trilhas vistas em suas mixtapes anteriores. Ainda se mostra revelante mas com um pouco menos impacto para quem já está acostumado com seu som.

 4,994 total views

Ano: 2013
Selo: XO, Republic
# Faixas: 10
Estilos: R&B
Duração: 55:38
Nota: 3.5
Produção: The Weeknd

A dualidade presente na obra de Abel Tesfaye sempre foi a sua grande marca. Dividido em uma vida de excessos compostos a partir de drogas pesadas e um estilo intenso de aproveitá-la, o músico parece sempre confuso em relação ao que realmente quer: diversão ou encontrar um amor. Cada composição parece tornar tal escolha cada vez mais difícil mas o que podemos considerar longe de incertezas é o seu talento para o R&B e uma música com forte conotação sexual.

Kiss Land expressa toda essa fragmentação do cantor, e como a sua primeira obra disponibilizada no formato “pago” após três excelentes mixtapes gratuitas, The Weeknd demonstra uma capacidade para criar grandes baladas e batidas extremamente propícias para o ato sexual. Se as suas letras fossem descaraterizadas, e somente a melodia percebida, a constatação seria a mesma. Ao se questionar na faixa inicial Professional com uma voz em falsete que consegue capturar o melhor do estilo nos tempos modernos (“ What does it mean When your heart’s already numb You’re professional”), vemos que as drogas e o sexo se relacionam como um escapismo para o cantor.

A produção parece mais apurada em alguns momentos, dando ainda mais ênfase a uma voz que no início servia como argumento para grandes batidas. Agora, seguimos o papel inverso, e o que realmente se torna relevante, apesar dos excelentes arranjos vistos aqui, é como Abel canta. The Town passa a agonia do músico após reencontrar um amor que havia lhe dito para ter sorte e que procurasse uma nova paixão. No entanto, cada faixa parece fugir do habitual, e podemos encontrar uma quebra de ritmo que mostra muito bem a dualidade vivida por ele. Professional e Kiss Land são exemplos de mudanças dentro de uma mesma faixa e que expressão a confusão do músico.

Love in the Sky, um dos melhores momentos vistos no disco tem uma batida letárgica que se confunde com uma letra abordando um encontro sexual no quarto do músico. O que parece ser real, na verdade é um sonho de Abel, e constatação que o mesmo chega é que na turnê não há mais tempo para os simples prazeres de sua vida. A beleza do disco é bipolar. Ao combinarmos melodias e versos, vemos um lado ainda mais melancólico do projeto.

Belong to the World aparece como contrapartida após algumas baladas, e traz batidas mais enérgicas inspiradas no Rock Industrial. Expansiva, tem seus versos voltados para uma figura feminina mas que são facilmente confundidos com Tesfaye.” Ooh girl, I know I shou”d leave you And learn to mistreat you Cause you belong to the world”, ao afirmar que deveria abandonar o seu amor porque ele pertence ao mundo, podemos ver que o mesmo diálogo poderia ser dito ao próprio músico. Faixas como Pretty ou Kiss Land são deixadas para que o próprio ouvinte encontre um significado, de preferência na companhia de outra pessoa.

Vemos na obra uma mesma linha de direção vista nas mixtapes anteriores. Os temas são os mesmos, o cheiro de sexo em cada faixa é ainda mais claro, e a voz de Abel se torna cada vez mais um símbolo de um estilo que procura se revitalizar. The Weeknd é vanguardista ao capturar a essência do Rhythm and Blues, um estilo suingado, misturando-o a elementos mais modernos como batidas eletrônicas, composições mais contemporâneas e com peso em alguns momentos. Tão bom quanto os seus outros discos, Kiss Land só não mostra uma clara evolução dentro do projeto mas com certeza ao alcançar ouvidos novos, mostrará uma relevância ainda maior.

 4,995 total views

BOM PARA QUEM OUVE: Pharrell, Mayer Hawtorne, John Legend
ARTISTA: The Weeknd
MARCADORES: R&B

Autor:

Economista musical, viciado em games, filmes, astrofísica e arte em geral.