Resenhas

Trails and Ways – Trilingual

EP de estreia do quarteto californiano compila seus singles e mostra seu grande potencial Pop ao misturar ritmos como Bossa Nova e Tropicalia ao Dream Pop

 2,015 total views

Ano: 2013
Selo: Non·Market Records
# Faixas: 5
Estilos: Indie Pop, Dream Pop
Duração: 19:23
Nota: 3.5
Produção: Trails and Ways
SoundCloud: /tracks/47505712
Itunes: http://clk.tradedoubler.com/click?p=214843&a=2184158&url=https%3A%2F%2Fitunes.apple.com%2Fbr%2Falbum%2Ftrilingual-ep%2Fid65

Cada vez mais comum entre novos artistas, o primeiro EP de muitas bandas tem se tornado na verdade um registro que puramente reúne todos seus singles até aquele ponto – uma ou outra versão nova pode ser vistas, mas elas se tornaram cada vez mais raras. Trilingual, o trabalho de estreia do quarteto californiano Trails and Ways, chega ao público sem nenhuma real novidade, porém mostrando a qualidade e versatilidade da banda em explorar ritmos tipicamente ligados a alguma nacionalidade (Espanha e Brasil, principalmente) e uni-los ao Dream Pop.

Quando compiladas, as faixas do quarteto esbanjam simpatia e grande apelo Pop, seja nas melodias leves, nos arranjos muitas vezes simples ou nas apropriações linguísticas (inglês, português e espanhol) que justificam o nome de obra. Se mantendo espontâneo e ensolarado em suas cinco canções, o EP dialoga com a Bossa Nova, Tropicália e Indie Pop de forma descompromissada e hedonista – o que aumenta a sensação branda e veraneia de se ouvir a obra.

O mais recente single apresentado, Como Te Vas, inicia a compilação mostrando muito bem isso. Cantando em espanhol, as garotas soltam uma as voz em uma base conduzida pelo estalar de dedos, texturas de sintetizador dispostas em várias camadas, linhas de baixo simples e pulsantes e um guitarra que fica brincando com timbres agudos – algo muito comum em suas faixas. Na sequência, nossa velha conhecida Nunca (letra cantada parte em português) brinca com batidas mais fortes e explora nossa cultura, se apropriando dos ritmos bem marcados e de nossa língua. Mais uma vez as guitarras abusam dos timbres agudos e em alguns momentos brincam também com a música tipicamente brasileira.

Tereza também demonstra mais desse apego pela nossa cultura, citando diversos pontos turísticos (Jericoacoara, Floresta da Tijuca e Fortaleza) e os mistura à sua lírica cheia de nostalgia. Os vocais femininos e a lenta progressão da faixa aumentam ainda mais essa sensação de saudade pretendida pelo quarteto. O single divulgado no ano passado, Border Crosser, mais uma vez explora essa temática de ausência e usa figuras como trens e trilhos para ilustrar este sentimento. Fechando de forma festiva, Mtn Tune explora o Indie Pop em sua forma mais bruta: harmonias pegajosas, refrãos fáceis (para ser cantado em coro) e explosões rítmicas após eles. É claro que o encontro de vozes (masculino/feminino) ajuda bastante a aumentar esse teor Pop.

Como já dito nada de novo por aqui, mas esse EP tem um apelo e facilidade Pop tão grande que superam até mesmo a falta de novidades a quem já acompanha os singles do quarteto. Trilingual tem mais cara de compilação do que de EP propriamente dito, mas ainda assim mostra todo o potencial da banda e uma musicalidade muito interessante a ser explorada em lançamentos futuros.

 2,016 total views

BOM PARA QUEM OUVE: Young Wonder, Crystal Fighters, Alpine
MARCADORES: Dream Pop, Indie Pop, Ouça

Autor:

Apaixonado por música e entusiasta no mundo dos podcasts