TT – LoveLaws

Disco solo da “frontwoman”traz desconstrução dos estereótipos amorosos

986 total views, no views today

Ano: 2018
Selo: Caroline International
# Faixas: 10
Estilos: Experimental, Dream Pop, Eletrônico
Duração: 40:47
Nota: 4.0
Produção: Theresa Wayman e Ivan Wayman

Compor um disco sobre o Amor pode ser uma tarefa mais complexa do que parece. É possível perceber que as coisas andam sobre moldes dicotômicos, por vezes expressando a característica incondicional e apaixonada ou nos arrasando com canções que desmentem os mitos românticos e nos afogam em sofrências.

De qualquer forma, ambas as formas são válidas na produção musical, mas as vezes sentimos falta de registros que mostrem a verdadeira contradição do amor, sendo tão apaixonante quanto destruidor e, muitas vezes, os dois ao mesmo tempo. Assim, a frontwoman do quarteto Warpaint, Theresa Wayman, resolve preencher este espaço relativamente escasso de representantes, nos entregando seu disco solo de estreia sob o nome de TT.

As comparações com Warpaint são inevitáveis, fato que pode levar alguns a encarar LoveLaws como uma extensão da banda. Entretanto, o disco revela sua própria originalidade à medida que percebemos a meticulosidade com a qual é construído. Texturas viscerais, reverbs misteriosos, vocais com apelo Pop e uma produção eletrônica bastante aguçada são alguns dos elementos usados por Theresa para expressar a dualidade do Amor, ou como o título sugere, suas leis.

Este é um trabalho que não tem a pretensão de propor definições exatas, mas de conduzir seu ouvinte pelos diversos labirintos construídos e fazê-lo compreender que é justamente esta exploração que dá o sentido a este sentimento tão complexo. Dessa forma, no decorrer do álbum, temos sentimentos mistos que não chegam a ser totalmente identificáveis, podendo conter traços de agressividade, náusea mas também de suavidade e alegria.

Com um respiro reverberado, começamos a compreender o Amor pela faixa Mykki, uma hipnotizante balada eletrônica que nos desconcerta com seus graves potentes, mas nos seduz com vocais etéreos. A faixa que dá nome ao disco é uma das melhores metáforas do disco, simulando um acordeão (um instrumento romântico) com um sintetizador agressivo e distorcido. Já Tutorial é mais ávida e claustrofóbica, à medida que sua batida permanece constante nos trazendo uma ansiedade crônica, semelhante àquela que sentimos quando amamos alguém. Safe é uma das mais escuras composições, jogando batidas, vocais e sintetizadores em uma espécie de vácuo guiado apenas pelos ecos destes elementos. E no fim desta jornada, Too Sweet nos deixa tranquilizados com teclados simpáticos mas nos sugere precaução à medida que nos adentramos em seus arranjos melancólicos e soturnos compostos com percussões hostis e vocais penados.

LoveLaws é um trabalho que nos traz uma concepção diferente do estereótipo de Amor. Ele se revela menos e acolhedor e mais misterioso, com uma espécie de rigor experimental. Temos assim um disco de estreia bastante sólido e instigante, que certamente agradará fãs de Warpaint e de discos investigativos. Um disco sobre o Amor menos óbvio.

(LoveLaws em uma faixa: Tutorial)

987 total views, 1 views today

BOM PARA QUEM OUVE: Holy Motors, Cora, Melody's Echo Chamber
ARTISTA: TT

Autor:

Designer frustrado, julgador de capas de discos e odiador daqueles que põem o feijão antes do arroz.