Resenhas

Yumi Zouma – EP II

Trio neozelandês mostra proposta pouco diferente da que foi vista em seu EP de estreia

 1,682 total views

Ano: 2015
Selo: Cascine
# Faixas: 5
Estilos: Indie Pop, Synthpop, Dream Pop
Duração: 21:39
Nota: 2.5

Do mesmo jeito que não se consegue ter a ideia do todo ao examinar apenas uma música de um disco, creio que olhar para apenas um EP de uma banda e ter noção de seu plenitude é extremamente complicado. O misterioso trio neozelandês Yumi Zouma chega agora a seu segundo trabalho, EP II, e ainda não é exatamente clara quais são as pretensões da banda, ainda mais por se tratar de obras tão diferentes, ainda que tão semelhantes.

Em comparação com EP, esta nova obra se mostra mais Pop e direta ao ponto. Se as faixas tomavam seu tempo para crescer naquele primeiro registro e lentamente chegavam ao seu clímax, aqui elas geralmente já iniciam mostrando a que vieram. Se por um lado o resultado é mais palatável, por outro a banda me parece entregar o ouro de uma só vez, mostrando tudo o que tem a oferecer logo nos primeiros segundos de cada canção. O resultado indireto desta mudança é que pouco sobra a se explorar.

Se o clima das obras é diferente, as referências parecem ser exatamente as mesmas. Elas continuam embasadas no Pop dos anos 80, principalmente em versões do Synthpop e Indie Pop da década, tudo isso sob uma delicadeza de arranjos e com vocal doce de Kim Pflaum. Dodi abre a obra mostrando o novo paradigma do trio, revelando seu lado mais chiclete e a nova predileção tornar as músicas mais imediatas – que lembrar em alguns momentos Picture You Staring, mais recente disco de TOPS.

Catasthrophe e Second Wave seguem também esta mesma proposta, de aliar a leveza da musicalidade de seu primeiro EP com uma visão pouco mais Pop na produção. Alena mergulha ainda mais fundo nisso e mostra certo flerte com as pistas de dança, através de batidas marcadas e uma melodia dançante guiada pelo piano. Song For Zoe & Gwen fecha a obra se destacando negativamente, sendo bem mais previsível que outras quatro.

O resultado de EPII é encantador, no sentido de capturar a atenção, mas, quando o faz, mostra pouco ou pelo menos mostra tudo de uma só vez, deixando as audições subsequentes um exercício maçante, em que nada mais é percebido pelo ouvinte. Ainda assim, me parece um bom treinamento para banda, que ainda está no processo de se descobrir musicalmente.

 1,683 total views

BOM PARA QUEM OUVE: Young Dreams, Craft Spells, TOPS
ARTISTA: Yumi Zouma

Autor:

Apaixonado por música e entusiasta no mundo dos podcasts