Burt Bacharach – Vivo Rio, RJ

Aos 84 anos, um dos maiores compositores do Pop veio ao Brasil executar alguns de seus maiores sucessos como “(They Long To Be) Close To You”, “I Just Don’t Know What To Do With Myself” e “Raindrops Keep Falling On My Head”

 3,351 total views

Nota: 4.5

Aos 84 anos, Mr. Burt Bacharach não parece cansado. Pelo contrário, a alegria que ele demonstra em estar num palco, para cantar seus inúmeros sucessos, é palpável e contagiante. A sensação é imediatamente perceptível quando a diminuta figura, tal um cavaleiro jedi aposentado e experiente, surge para receber uma calorosa salva de palmas. Todo mundo sabe que, a partir dali, Burt desfilará um repertório invejável.

Sempre é bom lembrar que Burt Bacharach é um dos arquitetos da música pop do século XX. O tempo e as circunstâncias fizeram com que essa sonoridade, cheia de classe, apuro técnico e insights oriundos da intersecção entre Jazz e Pop tradicional americano ficassem demodê num mundo como o de hoje. Não há problema, pois Burt e sua banda propõem um lapso temporal que dará à platéia a sensação de estar suspensa no tempo, em algum lugar entre o meio dos anos 60 e a virada dos anos 70/80. Burt se dá ao luxo de comandar uma medium band de dez integrantes, além dele mesmo, tocando piano, teclados e … cantando. O approach da pequena orquestra é de um trio de Jazz, sem guitarra, onde piano, baixo e bateria são suficientes. Ele seria capaz de fazer algo numa versão enxuta mas a idéia é trazer arranjos originais e empreender uma meticulosa recriação de temas e climas. Para isso, há violino, dois metais, dois teclados e três vocalistas, todos a serviço da revisitação minuciosa.

Burt começa os trabalhos com What The World Needs NoW, para engatilhar em seguida, um medley de seus maiores sucessos em parceria com o letrista Hal David, falecido ano passado. A sequência é de arrepiar, começando com Don’t Make Me Over e enfileirando pepitas do quilate de Walk On By, Wishin’ And Hopin, Do You Know The Way To San Jose, I’ll Never Fall In Love Again, I Say A Litte Prayer, Trains, Boats And Planes, This Guy Is In With You, sem dó nem piedade. Após outra salva prolongada de aplausos, é hora de conceder números solo aos vocalistas. A primeira é Josie James, que sustenta com perfeição Anyone Who Had A Heart. Depois, o vocalista John Pagano leva I Just Don’t Know What To Do With Myself num clima perigosamente próximo dos padrões American Idol de canto, deixando a melhor cantora da banda, Donna Taylor com a tarefa de fazer uma bela versão do standard Waiting For Charlie e do clássico (They Long To Be) Close To You, um dos maiores sucessos da carreira de Burt.

Após uma sincera declaração de amor à música brasileira, Bacharach chamou Ivan Lins ao palco e juntos cantaram Lembra de Mim, num belo arranjo Jazz Pop que agradou à platéia. O grande problema da noite veio logo em seguida, quando Ivan Lins cantou outro cavalo de batalha de Burt, The Look Of Love, em português, num surto momentâneo de falta absoluta de noção. Saiu do palco em seguida e a canção voltou logo após, noutro medley de sucessos, dessa vez apenas com canções que estiveram em trilhas sonoras de filmes. Vieram então The Look Of Love, Best That You Can Do, What’s New Pussycat, April Fools, A Man Who Shot Liberty Valance, Raindrops Keep Fallin On My Head, Alfie e uma arrepiante versão de A House Is Not A Home. Ainda viria That’s What Friends Are For e o glorioso bis, com uma outra versão cantada com a platéia a plenos pulmões de Raindrops Keep Falling On My Head, num clima total de baile atemporal da saudade. A única ausência marcante no setlist foi a clássica Make It Easy On Yourself.

Bacharach surpreendeu por dois motivos: cantou em vários momentos, algo raro, uma vez que o maestro não tem uma voz “afinada” mas, curiosamente, quando o faz, as canções ganham uma carga de dramaticidade impressionate. Foi o que ocorreu com Alfie, que foi totalmente transformada. A outra surpresa veio por conta de um pronunciamento de Burt a favor do presidente Obama e contra a decisão do senado americano em não impor maiores dificuldades na aquisição de armas de fogo em território americano. O velho maestro chegou a pedir desculpas e dizer que “nunca de manifestava politicamente, mas isso não é política, é decência”. Foi ovacionado longamente.

Nos séculos do porvir, a música de Burt Bacharach certamente constituirá ferramenta definitiva para entender o século XX. Ele é um dos maiores compositores da história da música Pop, está vivo e com gás. Se este show passar numa cidade próxima, faça de tudo para ir e contar aos netos mais tarde. Imperdível.

 3,352 total views

MARCADORES: Vivo Rio

Autor:

Carioca, rubro-negro, jornalista e historiador. Acha que o mundo acabou no meio da década de 1990 e ninguém notou. Escreve sobre música e cultura pop em geral. É fã de música de verdade, feita por gente de verdade e acredita que as porradas da vida são essenciais para a arte.