Chromatics – Grand Metrópole, SP

Entre o eletrônico soturno e bom contato com fãs, banda faz boa performance em São Paulo

 2,294 total views

Fotos: Fernando Galassi/Monkeybuzz
Nota: 4.0

A reformada e grandiosa casa de shows Grand Metrópole mais uma vez dá uma bela aula a outras casas de shows espalhadas por São Paulo – tanto na estrutura quanto na organização, o evento fechado da marca Ray-Ban mais uma vez conquistou grande público influente, mesmo não abrindo venda de ingressos ao grande público, deixando pra fora da casa boa parte dos reais fãs de bandas que tocariam naquela noite.

O DJ Set do Mystery Jets abria os caminhos para a esperada performance de Chromatics naquela noite num caminho quase oposto, trazendo a plateia composições mais próximas a New Disco, Pop e Indie Rock de forma dosada e bem distribuída. Apesar de ter começado as 22h, a marca encarregou-se de distrair os presentes com bebidas e areas grandes e bem ventiladas para conversar – um ponto alto que fez com que a 1 da manhã não parecesse assim um tempo tão longo de espera.

Sem muita firula e envoltos por uma atmosfera mais soturna é que a banda adentrou o palco e começou bem com Into the Black, Back from the Grave e também Kill For Love, faixa que dá nome a seu mais recente álbum de estúdio lançado em 2012, que teve bom retorno da crítica especializada. Plenamente focados em entreter o público com seus hits dançantes mais propensos a um sombrio que quase respalda no experimental é que se desenrolou toda a apresentação. Faixas aclamadas como These Streets Will Never Look the Same, Candy e Lady também arrancaram sorrisos de seus maiores entusiastas.

Além de canções de seu último registro, um combo de covers um tanto interessantes brotaram no palco no decorrer da noite – tanto uma rápida versão de Kate Bush e passando até por uma descontrução bonita e interessante da clássica Blue Moon, mais famosa através das vozes de Nat King Cole e Frank Sinatra. A concentração de Johnny Jewel em sua teia de sintetizadores e o compromisso vocal de Ruth Radelet nos vocais e guitarra esboçavam poucos momentos de interação direta, mas que foram sumariamente contrariados ao fim do show, sendo que tanto Jewel como parte dos demais desceram do palco para abraçar, beijar e tirar fotos com fãs.

 2,295 total views

ARTISTA: Chromatics
MARCADORES: Resenha, Show

Autor:

Jornalista por formação, fotógrafo sazonal e aventureiro no design gráfico.