Sky Ferreira – Cine Joia, SP

Público estimula artista a tocar até mesmo faixas que estão fora de seu repertório

2,477 total views, no views today

Fotos: Fernando Galassi/Monkeybuzz
Nota: 3.5

Muita gente que chegou em São Paulo na última semana não via a hora para que o dia 11 de junho virasse para que a Copa começasse de vez no Brasil. Outra porcentagem preferia deixar a brasilidade pra depois e ver de perto a jovem Sky Ferreira, que esgotou os ingressos meia-entrada e garantiu um jovem público, além de uma longa fila mesmo antes de abrir a casa.

Como esperado, a plateia era em grande parte um reduto de fãs entre 18 e 20 e poucos anos, quase todos trajados com jaquetas de couro e uma atitude que as vezes lembrava a de Sky e, em outros momentos, notoriamente efervescente. Como uma Pop Star adolescente, a garota foi ovacionada pelo público que se apertava na frente com elogios diversos e portava sua típica postura entre o blasé, o tímido e o apreensivo. A apresentação iniciada com 24 Hours mostrou logo de cara que Ferreira de fato tem o traquejo do canto, dentro do seu estilo próximo de um Lo-Fi Pop que fazia muita gente cantar junto.

Embora já tenhamos acompanhado duas de suas apresentações fora do Brasil – Pitchfork Paris e Pitchfork Chicago – e seu desempenho não tenha agradado nossa equipe pela pouca animação ou mecanização do show, por aqui a pegada foi diferente. Há de se levar em conta que os presentes são parte muito importante do show, tornando muitas vezes ele melhor ou pior com seu envolvimento parcial, total ou nulo durante a apresentação. Nossa nação tem um histórico de muita entrega naquilo que se propõe de fato – isso se eleva ainda mais quando se é um ex-adolescente. No eixo norte-americano, uma apresentação da garota é mais uma na semana. Por aqui, esse não é um trunfo visto sempre.

Sabendo disso, a cantora se sentiu confortável com a situação e deu mais de si do que o costume. Acostumada a fazer um setlist de dez canções, Sky Ferreira interagiu com os fãs, estendeu no palco a bandeira do Brasil que ganhou como presente, assinou discos e fez questão de ampliar seu repertório recheado de canções do álbum de estreia Night Time, My Time. Além de momentos que geraram grande animação nos presentes, com os hits I Blame Myself e Nobody Ask Me If I Was Okay, a estadunidense trouxe a lado-B Werewolf (I Like You) e a tão pedida e insistida Sad Dream, mesmo titubeando um pouco com a letra, se emocionou com o público cantando junto dela.

O single principal do álbum, You’re Not The One, era pra ser a faixa derradeira no seu show de pouco mais de uma hora. Surpreendendo parte dos presentes, que conhecem seus costumes em show, ainda em caráter tímido, Sky volta pra tocar Everything Is Embarassing, anunciando-a antes com uma rápida frase: “Achei que não custaria tocar só mais uma música. Vocês foram meu melhor público. De longe” – finalizou a frágil artista ante de fechar bem a noite com o hino de seu EP Ghost.

2,478 total views, 1 views today

ARTISTA: Sky Ferreira
MARCADORES: Show

Autor:

Jornalista por formação, fotógrafo sazonal e aventureiro no design gráfico.