tantas coisas com André Abujamra

Foto: Divulgação

Por: Ana Laura Pádua

Uma coluna, como sempre, sobre música — mas também sobre todo o resto. No tantas coisas, artistas compartilham sua coleção de coisas favoritas e contam, sempre de um jeito direto e descomplicado, histórias e preferências que fazem parte de suas carreiras e sua identidade. Nos palcos, no estúdio e no dia a dia.

Foto: Camila Svenson

Meu instrumento indispensável é…

A minha Guitarra Gibson Les Paul. (...) Quando bati o olho na bichinha dentro da loja, foi paixão à primeira vista e nunca mais me separei dela.

Queria compor uma música com...

Stravinsky. “Sagração da Primavera”, para mim, é uma das obras-primas mais lindas do mundo.

No início da minha carreira, o disco que eu mais ouvia era…

Machine Head, do Deep Purple. Adoro as guitarras desse disco.

Os discos que eu mais ouvi na vida foram…

David Brubeck, com Take Five, rodava tanto no toca-discos que gastou a agulha.

$O$, do Die Antwoord,

e Racing With The Sun, do Chinese Man.

Meus livros preferidos são…

Tratado de Harmonia, do Schoenberg, e Tratado de Orquestração, de Berlioz.

O artista mais improvável da minha playlist é…

Spike Jones, com certeza. Um maluco que não cabe em nenhuma caixinha ou tag. Sabia misturar música, humor e presença de palco.

O último filme que fez minha cabeça foi...

Bacurau, do Kleber Mendonça Filho. Ainda mais agora no momento político absurdo que estamos vivendo. É o Brasil com B de brasa que nos fortalece.

Eu sei que uma música está pronta quando…

Eu tenho facilidade pra fechar a tampa de uma música. Não tenho muito uma regra, mas, geralmente, quando volto a respirar, ela está pronta!

Eu adoraria aprender a tocar...

Fagote. É um instrumento que me fascina muito. Um dia ainda chego lá.

Meu xodó do repertório do disco Música e Ciência é...

“Xarope, a levada.” Tem a ironia, a simplicidade, o groove, é o fim do show onde as pessoas participam do concurso de dança. É uma brisa muito Mulheres.

Meu disco preferido do Karnak é…

O disco de estréia, Karnak (1995), foi um marco pra mim. 

Se eu pudesse escolher qualquer lugar do mundo para estar, eu estaria em…

Qualquer lugar do mundo? Em Shinjuku, Tóquio, comendo um bom sushi. Adoro o Japão.