The Skins: Rock’n’Roll ágil e intenso nas mãos de jovens

Entre irmãos e amigos, Bayli e sua trupe destrincham o Soul e o Rock de forma pegajosa e que agrada facilmente

 6,639 total views

O discurso de que a classe jovem é apenas uma geração perdida na música e não passam de esponjas que absorvem o bom e o ruim e pouco aproveitam no final de tudo acaba de ser destronado a partir de agora. Bayli, Reef e Kaya McKeithan são irmãos que honram e provam, junto aos amigos Daisy Spencer e Russel Chell, para os falastrões que sempre é possível se surpreender com nossos sucessores, tanto para o mal, e principalmente para o bem.

Os cinco integrantes, pouco além da adolescência, formam o grupo The Skins e são originais do Brooklyn, um dos lugares propícios onde costumam brotar grandes estrelas. Eles compõem e tocam um som próprio que poderia confundir facilmente público e crítica devido a grande empatia e técnica musical se fizessem por aí uma sessão de ensaios as escuras. O quinteto não se encaixa em um estilo musical específico, mas pode carregar consigo facilmente o termo “honesto”. As influências vão de grandes nomes antigos a destaques da atualidade. O arranjo altamente energético caminha entre Led Zeppelin e The Black Keys, o extremo e poderoso vocal de Bayli remete a divas do Soul, de Aretha Franklin até a mais nova pupila do Folk Rock, Brittany Howard, do Alabama Shakes.

Lançado no primeiro mês desse ano, os McKeithan e seus companheiros lançaram seu primeiro e surpreendente EP homônimo, com as boas faixas Summertime, Going Down e Ocean, que reproduzem o melhor entre o ontem e o hoje, captando tudo como um vórtice do tempo e resultando num produto final maduro e cheio de frescor ainda assim.

Além dos solos de guitarras que impressionam no primeiro disco, mais duas faixas foram apresentadas recentemente em uma espécie de acústico ao lado do selo Wreckroom Records, que ao que parece tem sondado a banda para um projeto maior a longo prazo. As viciantes criações Killer e Surf animam qualquer sujeito que se interesse no mínimo por uma sonoridade plena, acústica, e pura. Dizer pra prestar atenção neles e apostar um bom rumo na carreira beira ao pleonasmo a essa altura. Ouça-os mais uma vez e veja toda a sua teoria sobre a inexperiência de vida ir para o ralo.

 6,640 total views

ARTISTA: The Skins

Autor:

Jornalista por formação, fotógrafo sazonal e aventureiro no design gráfico.