Tropkillaz: Prodígios da Cultura Bass

Dupla brasileira é apontada pelo mundo como aposta do ano no Trap

 3,920 total views

De um lado, um dos produtores mais fortes do Rap brasileiro, com 20 anos na identidade e um portfólio de se invejar: Andre Laudz já trabalhou com nomes pesados do gênero como Emicida, Projota, Flora Matos, Rashid e MV Bill, além de ser chamado constantemente para criação de trilhas sonoras de filmes e comerciais. Do outro, um dos nomes mais consagrados quando o assunto é Hip Hop: DJ Zegon já produziu mais de 100 álbuns desde o final dos anos 90 até o início dos 2000, pegou trabalhos de Sabotage, D2, MV Bill e Racionais MCs, sem contar ter chegado junto de nomes como Santigold, RZA, M.I.A. e Kanye West no seu projeto N.A.S.A. A expertise e juventude de um se juntou à experiência e técnica do outro. A dupla hoje forma um dos maiores destaques da cultura bass: Tropkillaz.

O barulho dentro do Brasil ainda é baixo, a porcentagem de brasileiros que curtem a página do duo no Facebook é de apenas 15%. Sim, Tropkillaz já estourou lá fora e aqui espera sua hora. Com poucos shows agendados, os dois passam a maioria do tempo fazendo turnê nos Estados Unidos, Canadá, Europa, mas principalmente Rússia e Japão, onde já são bastante queridos. E é bem isso que encanta os gringos, a força das batidas que Tropkillaz carrega com as influências latinas nos agudos, o que mostra uma originalidade impecável. É disso que André e Zegon gostam, de trabalhar em cima de sonoridades que ainda não foram exploradas por ninguém, daquilo que faz as pessoas ouvirem e reconhecerem a dupla de imediato. E conseguem. O projeto hoje é um ícone para todos que fazem som autoral dentro do Brasil, não só na música Eletrônica, mas também dentro do Rap e Hip Hop. Quem ouve Tropkillaz percebe que os caras possuem uma característica ímpar na hora de produzir, conseguem manter o ouvinte trazendo suas viradas únicas, os graves impactantes, com o suingue sempre chamando atenção.

O que começou há alguns anos por puro hobby hoje já é coisa séria. Depois de terem aparecido com o remix de Hide no intervalo do Superbowl – e de saírem em uma matéria no veículo Run the Trap -, o presente foi ficar seis semanas consecutivas em primeiro lugar no top 10 das músicas Eletrônicas mais baixadas do iTunes dos Estados Unidos. A música é do N.A.S.A. então, para DJ Zegon, foi acerto duplo. A estrada foi essa. Hoje, o caminho foi fluindo muito mais lá fora do que aqui e Zegon mesmo já explica que Tropkillaz precisou estourar no exterior pros produtores brasileiros darem valor aqui dentro. Essa é a razão do duo fazer tão poucas aparições em solo tupiniquim. O DJ mora em Los Angeles desde a aproximação com Mario Caldatto Jr, que estimulou o produtor a fazer carreira fora.

Depois de praticamente 20 anos de uma carreira longe dos palcos e do grupo Planet Hemp, Zegon usa a bagagem da vivência que teve em prol da música hoje. Atualmente, vai trabalhar na curadoria de novos artistas que queiram entrar na cena de Bass Culture, trazendo uma nova abordagem, uma pitada diferente, aquele elemento que faça a cena respirar e metamorfosear. Quem quiser, basta se inspirar nas mais de 30 faixas inéditas de Tropkillaz nas mixtapes lançadas ou nos sets lançados que nada mais são do que uma mistureba completamente reeditada de remixes autorais do próprio projeto, o que dá uma cara original à apresentação.

E o bonde não para. No mês passado, Andre e Zegon estavam do lado de Diplo e companhia dentro dos estúdios da Mad Decent, de onde não deveriam sair. Os planos do álbum são para o final de 2014 e a lista de colaborações só aumenta as expectativas: TWRK, Dj Snake e Grandtheft, sem contar alguns remixes oficiais. Quem não consegue esperar pode ficar feliz, porque antes disso sai ainda um EP. Sendo pra ficar em solo brasileiro ou não, que a dupla brasileira continue sempre colhendo os frutos que plantou.

 3,921 total views

ARTISTA: Tropkillaz
MARCADORES: Conheça

Autor:

Publicitário que não sabe o que consome mais: música, jornalismo ou Burger King