Jagjaguwar: Nascido por Causa de Uma Só Banda

Selo se mostra dono de uma curadoria impecável e com faro certeiro para novidades

2,096 total views, no views today

Fotos: Unknown Mortal Orchestra (foto) é um dos destaques do selo

Jagjaguwar, selo com um dos catálogos legais da atualidade, surgiu na intenção de seu fundador, Darius Van Arman, ajudar uma banda seus amigos, The Curious Digit. O grupo lançou seu primeiro single de 7” pelo Sentimental, criado por Van Arman e Dawson Prater e que durou pouco tempo, visto que Prater abandonou o projeto quando se mudou para outra cidade – posteriormente ele fundaria Locust Music em Chicago. Darius, agora de forma “solo”, criaria seu próprio selo para conseguir viabilizar o primeiro disco de seus amigos.

Bombay Aloo (1996) foi o primeiro lançamento da Jagjaguwar e de certa forma já refletia o escopo de bandas que integrariam o catálogo a partir dali. O álbum é composto por dez faixas que mostram um Pop “esquisito” e com tendências a experimentações com outros estilos, como Indie Rock e Folk. O disco não teve nenhuma expressividade na época de seu lançamento e, por uma série de motivos, a banda acabou dali a alguns anos. Felizmente, ele continuou aumentado seu catálogo e expandindo seu escopo para diversos lugares diferentes.

Três anos se passariam até que o selo chamasse atenção de outro, ou melhor, do dono de um. Em 1999, Chris Swanson, um dos nomes por trás da Secretly Canadian, propôs uma parceria com Van Arman. A partir daí, mesmo mantendo nomes e catálogos diferentes, as duas empresas dividiriam o mesmo espaço e até os mesmos empregados – algum tempo depois, Ben Swanson e Jonathan Cargill, também co-fundadores da Secretly Canadian, viriam se tornar sócios da Jagjaguwar. Nesta época bandas como Drunk, Oneida, The Union Of A Man And A Woman e Fuck eram seus principais artistas.

A partir dos anos 2000, nomes de mais peso assinaram com o selo, entre eles artistas como Okkervil River, The Pink Mountaintops, Ladyhawk e The Besnard Lakes. Mas foi só em 2008, com o disco de estreia de Bon Iver, que o selo começou a ter maior reconhecimento fora do meio do alternativo. For Emma, Forever Ago foi originalmente lançado em fevereiro daquele ano pela Jagjaguwar, posteriormente sendo relançado em maio pela 4AD, e ajudou a atrair a atenção de muita gente àquela pequena empresa que começaria a despontar a partir dali.

E por falar em Bon Iver, seu líder Justin Veron trouxe alguns dos grupos em que trabalhou ou músicos de sua banda para o catálogo do selo: Volcano Choire Gayngs, projetos em que Justin está diretamente envolvido, e S. Carey, projeto paralelo do baterista Sean Carey, membro da banda mais conhecida de Vernon, vieram a integrar em algum momento o crescente rol de artistas da empresa.

Outro nome de peso a somar ao catálogo do selo foi Dinosaur Jr., que em 2009 lançou Farm. Este seria o segundo álbum lançado pelo grupo depois do hiato de quase dez anos – e primeiro pela Jagjaguwar -, sendo seguido pelo ótimo I Bet On Sky, de 2012.

Fora ao trio dinossáurico, nomes mais atuais e de destaque no cenário internacional integraram o elenco recentemente, entre eles os representantes da Nova Psicodelia, como Foxygen, Small Black e Unknown Mortal Orchestra, bandas que ganharam os holofotes em 2012 e continuam aparecendo como novas referências do gênero. Sharon Van Etten, Lia Ices e Angel Olsen trazem um toque feminino ao selo, com seu Folk Rock intimista e confessional.

Seja com velhos conhecidos ou com novatos, Jagjaguwar demonstra um cuidado especial em sua curadoria e isso se reflete em um catálogo impecável que, mesmo que tenha sofrido uma série de mutações, remete ao conteúdo experimental e Pop de Bombay Aloo e da banda dos amigos do criador do selo.

2,097 total views, no views today

Autor:

Apaixonado por música e entusiasta no mundo dos podcasts