Leituras Da Semana: Jack White, Sharon Van Etten, Séculos Apaixonados

Separamos alguns dos melhores textos sobre música que lemos pela Web nos últimos dias

 3,209 total views

Semanalmente, filtramos os melhores textos nacionais e internacionais que encontramos na rede, a fim de enriquecer ainda mais seu conhecimento sobre música Você também pode acompanhar as leituras da semana através de nossa Readlist. Ela compila os artigos e permite que você os leia em formato de e-book no seu smartphone, tablet ou até mesmo no Kindle.

Os Avós das Irritantes Musiquinhas de Keygen eram Feitos no Commodore64, por Evandro Morellato no site Thump

Se você é fanático por tecnologia vinculada a música, este texto pode sanar algumas de suas curiosidades e revelar informações bem interessantes sobre os proto-sintetizadores gerados por meio de aparelhos Commodore64. O texto pode ser direcionado tanto para fanáticos por sintetizadores como leigos que desejam se aprofundar mais no assunto.

“Lá pelo ano de 1837, um matemático chamado Charles Babbage criou os primeiros esboços do que viria se tornar um computador mecânico, e Ada Lovelace, filha do poeta Lord Byron, escreveu o primeiro programa a ser rodado nessa máquina. Infelizmente, Charles e Ada não viveram o suficiente p’ra ver suas ideias sendo implementadas na prática, mas cá estamos nós hoje utilizando uma versão bem mais moderna daquilo que eles projetaram.”

recomendado por Lucas Cassoli

Jack White’s ‘Lazaretto’: The All Songs Interview por Bob Boilen na NPR Music

Prestes a lançar Lazaretto, seu segundo disco, Jack White conversou com a rádio norte-americana NPR sobre o novo trabalho, que misturou as duas bandas que o acompanharam em Blunderbuss. Entre assuntos específicos sobre o disco, podemos conhecer um pouco mais da maneira com que o músico compõe e grava.

“Well, the problem with my personality is that I’m the kind of guy, like if I took a roll of film and it got developed and came back, I would take out the two photos that are good and I throw away all the rest. I don’t like bad photos being there when there’s one good one that’s so great. You know, you should take that one out and frame it, and throw the rest of them away so nobody else will find them. And of course, this is — don’t ever do that in front of a female. They’ll just come run, screaming, diving, “Why?!” Girls can’t stand that for some reason, I don’t know why. Guys are like, “Well, whatever, set them on fire. Who cares?””

recomendado por André Felipe de Medeiros

Here together are our hearts – The love songs of Sharon Van Etten por Amanda Petrusich no Pitchfork

Depois de disponibilizar diversos singles (Your Love is Killing me, Every time the sun comes up, Taking Chances) e de termos falado recentemente dela, Sharon Van Etten se prepara agora para lançar seu novo trabalho, o quarto de sua carreira. A entrevista passa um pouco dentro da mente da cantora, e fala sobre suas influências, dando um panorama sobre como ela se encontrou no meio de seu mais recente álbum de estúdio, que será lançado em breve.

“I literally had a bag of clothes and my guitar, and [a friend] drove me to the airport—she was one of two people that I told I was leaving, it was that intense”.

recomendado por Maynara Fanucci

Is selling music to advertisers still considered selling out?, por Hannah Jane Parkinson no blog The Guardian

Reabrindo uma discussão que era muito forte há 20 ou 30 anos, esse artigo da jornalista inglesa mostra que grande parte do preconceito em licenciar suas músicas para comercais das mais variadas marcas já não existe mais, pelo menos não tão forte quanto costumava ser. Até mesmo a expressão “vendido” no meio musical já perdeu sua expressividade ou sentido que tinha quando cunhada ou quando era adotada por esse ou por aquele gênero mais underground ou conservador.

“Once upon a time, a band allowing music to be licensed for use in adverts was considered a heinous act of creative amorality. Nowadays, does anybody really care? Robyn’s advert for Volvo debuted this morning – it’s one of those filmic two-and-a-half minute jobs, directed by her boyfriend Max Vitali and looking more like a small feature than a TV spot.”

recomendado por Nik Silva

Meet Cameron Carpenter: the Kanye West of pipe organs por Lessley Anderson no The Verge

Figura polêmica na música clássica, Cameron Carpenter resolveu atualizar o órgão, pois acredita que o instrumento é belo demais para ficar restrito à igrejas. Por isso criou uma versão digital e “portátil” do instrumento. Matéria interessante sobre um lado da música que infelizmente, nem sempre temos tanto acesso (não deixe de assistir ao vídeo).

“A Julliard-trained, Grammy-nominated organist, Carpenter wants to free the pipe organ from its long association with churches. And he’s designed a revolutionary new version of the ancient instrument as part of an effort to do just that: called the International Touring Organ (ITO), it’s portable, digital, and allows Carpenter to take his music to the streets. He’s already created a stir in the insular, sometimes bitchy world of pro-organists, but audiences love it: even The New York Times’ classical-music critic recently called the organ “quite terrific.” All signs suggest that Carpenter’s unlikely quest to turn one of the world’s most niche instruments into a mainstream sensation might actually work.”

recomendado por Lucas Repullo

Séculos Apaixonados É o Novo Supergrupo Indie Carioca de AOR por Eduardo Roberto na Noisey

Com seu estilo de sempre, Noisey entrevistou o supergrupo carioca Séculos Apaixonados. Texto interessante pra entender (ou não) como estão pensando tantas cabeças criativas juntas, em um só projeto.

“O caso do Dorgas é um pouquinho diferente porque no Dorgas não eram canções, eram mais riffs arranjados e estruturados. Grande parte das músicas não passavam de um ou dois acordes. No Séculos são canções de verdade, cada um traz um esqueleto de uma canção e a gente arranja. Eu acho esse um jeito bem melhor, por que assim eu sinto que eu tenho controle sobre a música, e você começa a entender os caminhos que elas podem levar e o seu jeito de ‘compor’.”

recomendado por Lucas Repullo

Interview :: Kevin Parker – Mink Mussel Creek por Danny Noonan no site da rádio FBi

Nada mais do que a entrevista que nos fez entender o futuro de Mink Mussel Creek, supergrupo formado por membros de Tame Impala e Pond. Kevin Parker conta um pouco sobre a importância criativa de ter esse projeto paralelo em meio à loucura que é a agenda de sua mais conhecida banda.

“We just said to ourselves: ‘let’s just do it.’ The whole ‘failed first album’ thing died down, and we were playing shows, Tame were touring and other stuff. But we were all home and we were like, ‘let’s just, like, put it down. We have to.’”

recomendado por Lucas Repullo

 3,210 total views

Autor: