Queens of The Stone Age: “Lullabies To Paralyze” a Partir de Seus Hits

Disco completa nesta semana uma década de existência

2,779 total views, no views today

O que fazer depois de ter criado sua obra-prima? Esse foi o dilema enfrentado por Queens of The Stone Age depois do lançamento de Songs For The Deaf (2002), porém o desafio foi encaradoe resultou em um dos melhores disco de Josh Homme e sua turma.

Nesta semana, Lullabies To Paralyze completa seus dez anos e vamos hoje vasculhar um pouco do disco mais sexy da banda. Porém, não vamos nos concentraremos nas guitarras mais sombrias, em suas melodias irresistíveis, em seu teor cinemático, na saída do baixista Nick Oliveri ou mesmo no teor mais Pop do álbum, mas em seus hits, que são cantados de ponta a ponta nos shows.

Esse pode até não ser o disco mais lembrado quando se fala em QOTSA, ainda mais com obras como Rated R (2000) e mesmo Songs For The Deaf, mas é certamente um dos álbuns do grupo que mais produziu hits e refrões “sing-along” perfeitos para os shows. Vamos a eles:

Burn The Witch

”Holding hands/Skipping like a stone/Burn the witch/Burn to ash & bone”

Em meio à melodia bruxuleante e a guitarra Stoner, a música se desenvolve quase como um conto medieval. A misteriosa figura se revela a cada verso, até ser posta na fogueira ao fim da canção. Ao vivo, sua última estrofe se torna um dos pontos mais altos de qualquer set da banda. Um verdadeiro hit.

In My Head

”I keep on playin our favorite song/I turn it up while you’re gone/It’s all i got when you’re in my head and you’re in my head so i need it”

Originalmente parte do projeto Desert Sessions, a música tem uma temática aparentemente mais leve que as demais do álbum, porém lida com o vício ou um amor viciante. Ela se desenrola em meio ao ritmo frenético de guitarra e bateria, que culmina em um refrão Pop e perfeito para shows em grandes estádios.

Little Sister

“Little sister, can’t you find another way/No more living life behind a shadow/Little sister, can’t you find another way/No more living life behind a shadow”

Essa faixa foi gravada originalmente na época de Songs For The Deaf, sendo regravada em sua versão definitiva para este disco. Inspirada em Elvis Presley, ela se mostra como uma das músicas mais carnais do grupo e é também uma das mais sexy já escritas por Homme. Além de funcionar também em outras ocasiões, seu refrão é matador durante os shows.

Everybody Knows That You’re Insane

”Everybody knows that you’re insane”

Com uma frase tão poderosa quanto essa e uma condução melódica que atinge seu pico durante a repetição dela, essa música é um dos pontos altos do álbum e também um dos mais agressivos.

Long Slow Goodbye

”On a long slow goodbye/On a long slow goodbye”

Mais um refrão repetido quase como um mantra. Esse é um dos momentos mais calmos de Lullabies To Paralyze e se despede do ouvinte em um “long goodbye”, que dura mais de seis minutos e brinca com ritmos menos densos e uma melodia quase chorosa. Quando tocada no festival SWU, em 2010, rendeu um dos momentos mais belos do show.

2,780 total views, 1 views today

Autor:

Apaixonado por música e entusiasta no mundo dos podcasts