Tons de Azul, tons de Blues

Um resumo da trajetória do Blues, desde os pioneiros ao atuais representantes do estilo, como Gary Clark Jr. (foto)

4,645 total views, no views today

Passada a moda dos tons de cinza, que se espalharam pelas livrarias mundo a fora, é hora de falar de tons de uma outra “cor”, esta presente no mundo da música. Dando nome a um estilo, o azul batiza o Blues – e seus derivados, como o Blues Rock -, tão tradicional e tocante gênero que já atravessa décadas e décadas.

A proposta desse texto é fazermos uma “paleta” de azuis, do mais escuro ao mais claro, onde iremos medir a “concentração” do estilo, indo do mais carregado e raiz, ao mais suave, com apenas influências. Alguns nomes claro que acabarão ficando de fora, mas a gente sabe da sua importância. O intuito é apenas ilustrar a evolução desse que é um dos estilos mais incríveis da história da música. Hora de mergulhar no azul profundo!

Robert Jonhson

Tido como um dos pioneiros do Blues, Robert Johnson tem todo um mistério por trás de sua história. Muitos dizem que o músico, para conseguir fama e habilidade musical, havia vendido sua alma, e por isso que tocava de costas para a platéia. Se o fato é verdade ou não, o que sabemos é que Robert, mesmo com sua curta carreira, foi responsável por disseminar o Blues no formato estrutural do estilo que conhecemos, além também de o torná-lo mais popular logo após sua morte.

BB King

Uma das lendas vivas do estilo, Riley Ben King- seu nome verdadeiro- é um dos músicos que mais apresenta o feeling que o estilo pede. Com domínio praticamente total da guitarra, BB King é um dos músicos que melhor sabe fazer os tradicionais improvisos e jams blueseiros, enchendo os olhos do público, principalmente em suas apresentações ao vivo.

Eric Clapton/Jimi Hendrix

Fica difícil separar os dois. Ainda mais por terem vivido a mesma época e terem a mesma importância. Por Hendrix ter tido sua carreira tão curta, ao morrer aos 27 anos, aparenta que Clapton possa ter sido mais importante para o Blues. Entretanto, ambos os nomes foram importantíssimos por aliar o Blues com o Rock, e assim, dar a agressividade que o estilo rebelde sempre trouxe a sua música. O resultado foi uma legião de seguidores que os tinham como principais referências, além de trazer o Blues para mais perto das pessoas que ainda não tinha proximidade com o mesmo.

Gary Clark Jr.

E falando em seguidores, um deles é o excelente músico da nova geração, Gary Clark Jr., que inclusive abriu shows de Clapton e ainda dividiu palco com o mesmo para o jam no final do show do britânico. Gary apresenta uma mistura do Blues com muita alma, caindo até para os lados do Soul. Entretanto, não deixa de lado o Rock, com muita energia em meio ao riffs que apresenta em suas canções belas e cheias de sentimentos.

Deap Vally

Se o Blues sempre foi um estilo caraterizado mais pelos homens (para não dizer em sua totalidade), eis que agora recentemente, temos duas garotas assumindo guitarra e bateria com um Blues Rock garageiro. Lindsey Troy e Julie Edwards compõem a dupla Deap Vally. O som das garotas é dingo de deixar muito marmanjo de boca aberta. com bastante agressividade, seu som é a representação da evolução do Blues até os tempos atuais, trazendo a mistura do Blues com o Rock e com o Rock garageiro, típico da atual geração.

4,646 total views, no views today

Autor:

Marketeiro, baixista, e sempre ouvindo música. Precisa comer toneladas de arroz com feijão para chegar a ser um Thunderbird (mas faz o que pode).