Com novo disco, Carly Rae Jepsen busca referências no som Alternativo

Cantora confirma tendência da música Pop com Blood Orange entre seus produtores

2,775 total views, no views today

Você provavelmente se lembra de Carly Rae Jepsen, aquela menina que lançou o mega hit Call Me Maybe, o single mais vendido de 2012, aquela música que muita gente de respeito que aprecia o Pop mais disseminado legitimamente elogiou (e quem gosta de pagar de irônico/malandro fazia questão de dizer que curtia). O que talvez ainda não saiba é que seu novo álbum, Emotion (ou E•MO•TION), deu uma levantada em seu som, que ficou com uma cara mais contemporânea e bacana, com ajuda de nomes como Ariel Rechtshaid, Dev Hynes (Blood Orange) e Rostam Batmanglij (membro da banda Vampire Weekend) no grande elenco de produtores.

Se a primeira pergunta que te vier à mente for “mas por que?”, a resposta pode ser mais simples do que você imagina. Já se o caso for “mas por que isso agora?”, as possibilidades são um pouco mais amplas. De qualquer forma, é curioso observar a escolha da canadense e de sua gerência para este seu terceiro álbum – que saiu nesta sexta, 21, em todo o Ocidente, dois meses após os japoneses já estarem dançando as novas faixas.

Antes de entrar nos argumentos para o disco, vale a pena ressaltar a parábola que ilustra a carreira da artista: Ela despontou no Canadá após ficar em terceiro lugar no programa de TV Canadian Idol em 2007 e lançou seu primeiro disco no ano seguinte. Após o lançamento do álbum Kiss e seu hit Call Me Maybe, ela viu sua persona ser uma das mais frequentes na mídia ao redor do mundo inteiro em um dia e motivo de piada pelo insucesso já na manhã seguinte, visto que sua carreira não teve o mesmo pique do single. Ou seja, era hora de se reinventar.

De volta às questões: Por que escolher esses produtores? Porque é isso mesmo o que a música Pop faz e sempre fez: Pegar as referências do que a vanguarda cria e dissolvê-las de uma maneira mais palatável, mais consumível, à grande massa. Um exemplo é a carreira de Madonna, que costuma chamar algum produtor de renome em um nicho em ascensão para trabalhar com ela – Diplo foi o caso mais recente. Mas, na real, essa história se repete espantosamente por todo o mainstream e a “Rainha” é apenas uma das tantas artistas que trabalham assim. Apostar em uma produção assim, portanto, seria uma escolha segura.

O problema fica mais denso quando perguntamos o porquê de fazer isso agora, com um som que, sabemos, não vende tanto quanto o Popzão de sempre. Resumindo muito, é um bom momento para o meio chamado de Alternativo, já que ele apresenta-se lucrativo para tantos (ainda mais quando não é vanguardista de fato, mas também já diluído, como os trabalhos aos quais esses produtores estão associados – Sky Ferreira, Haim, Charli XCX e Brandon Flowers, entre muitos outros). Rende menos grana do que Call Me Maybe? Com certeza, mas ainda gera uma boa receita. O melhor exemplo disso foi o que Lana Del Rey fez pouco antes de Carly estourar na mídia: Ela não deu certo como Lizzie Grant fazendo um som mais afinado no mainstream e reinventou-se para ser Lana no tal “Alternativo”.

Enquanto muitos ficarão surpresos com a reinvenção de Carly Rae Jepsen, ela ganha um novo fôlego na carreira. Seu ponto mais alto nesta fase não tem chances de repetir o sucesso do passado, mas é certamente muito mais alto do que o de tantas cantoras por aí, em parte porque ela já possui um acesso aberto ao grande público e porque, como você deve suspeitar, o novo disco veio caprichado.

2,776 total views, 1 views today

Autor:

Comunicador, arteiro, crítico e cafeínado.