A Brisa Boa de Barbara Boeing

DJ encabeça projetos musicais em Curitiba e traz sonoridades quentes em mixtape

Por Danila Moura, 23/02/2018, às 18:39

Fotos: Divulgalção

Como o Monkeybuzz já tinha dado a letra, o Dekmantel Festival São Paulo está com o line up marcado por ótimas DJs mulheres.

Nesse time de minas está Barbara Boeing, que, desde 2012, é uma das mentoras da Alter Disco e Discoteca Odara, conhecidas por trazerem novas sonoridades Eletrônicas em Curitiba e ótimas atrações internacionais, como Move D, Fantastic Man e Palms Trax. Pesquisadora musical apurada, ela sempre desfila bons garimpos de Disco, Funk e outras sonoridades dançantes. Ela acabou de lançar uma mixtape especial para o Dekmantel e contou mais sobre seus projetos aqui no Monkeybuzz.

Monkeybuzz: Como surgiu a ideia de criar a Alter Disco?
Barbara Boeing:Antes de criarmos a Alter, eu e meus melhores amigos normalmente não saíamos muito de casa. Não conseguíamos nunca nos adequar ao som dos clubes e festas da cidade. Sempre escutávamos coisas muito diferentes do que as pessoas estavam ouvindo por aí!
Por isso, de maneira completamente orgânica, convidando amigos e amigos de amigos, começamos a fazer festas para no máximo 50 pessoas, nos sábados ou domingos, sempre de dia em um gramado da casa de um grande amigo nosso. A proposta era muito simples, cada um levava a sua bebida, dividíamos as caixas de som entre os mais chegados e escutávamos um som que amávamos. Três anos depois disso, a festa cresceu e trouxemos a primeira atração internacional, o Luds a.k.a. Labuzinski da Alemanha. Depois disso, nunca mais paramos de trazer convidados e somos conhecidos por termos uma curadoria muito nova dentro da cidade! Desde o início, a Alter nunca teve a ideia de levantar dinheiro para os fundadores, portanto a festa é sem fins lucrativos sendo formada 100% de pessoas que trabalham de maneira voluntária. Todo o dinheiro que levantamos investimos nos próximos DJs que queremos trazer.

Mb: Qual afinidade musical entre vocês impulsionou essa união de forças?
Barbara Boeing:Somos amigos faz muitos anos e passamos por muitas fases musicais juntos. Acredito que a amizade entre os quatro integrantes iniciou pela similaridade de gostos musicais mesmo. Julgamos gostar de música boa, seja ela qual for. Não temos preconceito com estilo algum, se a música for boa, está valendo! Isso é algo que prezamos muito dentro da Alter Disco, tentar mostrar para as pessoas a maior quantidade de estilos possível.

Mb: A Alter Disco nasceu de uma banda? Conta mais sobre essa história? Ficamos curiosos!
Barbara Boeing: Sim, eu tocava bateria (muito mal...), o Phil Mill e o De Sena guitarra e o Claudio baixo. A banda era algo totalmente experimental, não tínhamos um vocalista, mas tínhamos sete músicas autorais. A verdade é que a banda era um hobby delicioso que tínhamos para nos juntar nos finais de semana. Mas sendo bem sincera, não acredito que tínhamos muito futuro nisso, acredito que somos melhores DJs do que instrumentistas. Mas creio que a banda demonstra o quanto a música sempre esteve muito presente em todas as nossas vidas, seja ela da forma que for.

Mb: O projeto Alter Disco se apresenta como "apropriando-se do passado e olhando para o futuro" O que você avalia da atuação de vocês na cena Eletrônica de Curitiba desde 2012 e como vocês imaginam o futuro, em base nessa reflexão?
Barbara Boeing: Na verdade, a ideia desta frase foi pensando na música que apresentamos ao público. Gostamos de pesquisar muita coisa antiga trazendo muitos edits dos anos 70, 80, 90 e também muita coisa atual que acreditamos que daqui a 20 anos continuará sendo tocada. Sobre o futuro da Alter Disco, queremos muito abrir a label da Alter. Precisamos de tempo na vida de cada um pra conseguirmos montar isso, mas quem sabe em 2018 ainda teremos uma prévia disso.

Mb: O que você sente que mudou no público e na percepção em relação ao tipo de som que vocês procuram apresentar no projeto?
Barbara Boeing: Eu sempre fico muito feliz quando ouço pessoas me contando que não gostam de música Eletrônica mas gostam da Alter Disco e da Discoteca ODARA. Acredito que isso acontece pois usamos muitos timbres orgânicos, tocamos além de músicas mais pesadas, edits de músicas antigas com voz, baixo, guitarra e isso se assemelha muito a experiência de escutar uma banda em certos momentos. Festivais como Dekmantel por exemplo são um exemplo em como juntar bandas e DJs no mesmo ambiente para amantes de música no geral, seja qual estilo for. Creio que cada vez mais o público vai se educando a gostar de música de qualidade e a entender que o purismo em um só estilo pode ser algo que te impede de conhecer muita música aprazível para os seus ouvidos.

Mb: Sobre a Discoteca Odara, qual é o perfil dos colecionadores de disco que costumam participar do projeto? Que sonoridades são mais garimpadas? Existe um estilo musical com maior evidência?
Barbara Boeing: Dentro do Discoteca ODARA nós trabalhamos com o nosso sócio e co-fundador Dani Souto. Ele é uma das únicas pessoas no Brasil que consegue traçar um tour inteirinho pros gringos que querem tocar por aqui. Como ele está sempre fechando estas datas, nós normalmente entramos nesta leva de trazer os DJs que ele nos apresenta. Obviamente esta é uma decisão do grupo inteiro, mas como ele só traz pessoas geniais, acabamos normalmente fechando as datas com ele mesmo. Não posso te dizer que os DJs tem um perfil concreto, eles são simplesmente pessoas que nos trazem música boa, independente do estilo. Isso se assemelha muito com o nosso gosto na Alter e devido a isso já dividimos uma festa em 2017 quando Palms Trax tocou com a gente e este sábado agora, dia 24/02 estamos repetindo a dose trazendo o sul-africano Esa. Acredito que se tivermos que nomear os estilos com maior evidência ficaríamos ao redor do House, Disco e Techno de maneira totalmente não linear.

Mb: Como rolou sua conexão com a Dani Souto?
Barbara Boeing: Eu conheci esta biblioteca musical ambulante em uma Alter Disco. Um amigo meu nos apresentou dizendo que ele iria se mudar para Curitiba pois estava casando com uma curitibana. Assim que ele se mudou, ele me convidou para iniciar a Discoteca ODARA, nos juntamos com Manolo Neto, Priscila Prestes e Gon Du e começamos esta nova empreitada.

mais sobre