Resenhas

First Aid Kit – The Lion’s Roar

A dupla de irmãs Johanna e Klara chega mais madura a este seu segundo trabalho, desenvolvendo sua veia caipira em um Folk vindo direto da mesma Suécia que nos entregou tantos grandes nomes da música Pop

1,694 total views, no views today

Ano: 2012
Selo: Wichita
# Faixas: 10
Estilos: Folk, Indie Folk
Duração: 42:46
Nota: 4.0
Produção: Mike Mogis
Livraria Cultura: 29344791

Quem diria que um dos nomes mais celebrados do Folk contemporâneo sairia justamente da Suécia, um dos principais exportadores da música Pop? Pois é desse país escandinavo que vem as irmãs Johanna e Klara, a dupla First Aid Kit, que firmam seu status entre os favoritos do gênero com o lançamento de seu segundo álbum, The Lion’s Roar.

A faixa-título é também a de abertura e traz um instrumental que começa tímido e cresce na medida certa para encontrar os vocais das meninas – o grande protagonista desse trabalho. Seguindo a tradição Folk, elas criam harmonias com alguma veia caipira que não imaginaríamos encontrar em duas jovens dos subúrbios de Estocolmo.

Emmylou faz referência aos músicos Gram Parsons e Emmylou Harris, mostrando que elas conhecem bem o gênero que cantam. In the Hearts of Men continua a trabalhar com instrumentos discretos para serem base do vocal melancólico típico do Folk, enquanto Blue tem um pezinho maior no Indie Pop, mas sem perder o rumo interiorano das demais canções.

A quinta faixa, This Old Routine, tem um clima mais puxado para o Country, soando mais grandiosa que as outras até agora, e dá até a impressão que estamos ouvindo a última do disco. É aí também que percebemos que as canções de The Lion’s Roar são um pouco longas, em média com uns 4 minutos e pouco, e elas talvez seriam melhor aproveitadas no disco se fossem um pouquinho mais curtas.

To a Poet, a faixa seguinte retorna ao Folk mais puro, com ajuda de belas cordas que fazem a harmonia das vozes brilhar ainda mais. I Found a Way segue a mesma proposta, soando otimista e esperançosa, decorada com instrumentos de sopro nos lugares certos.

É então que surge Dance to Another Tune, faixa que se dá a liberdade de expandir a sonoridade do disco tanto para o lado mais Indie, quanto para a influência do Pop sueco no vocal, principalmente na última parte. A canção não deixa de ser coesa com o resto da produção, apenas encontra outras referências para enriquecer sua sonoridade.

Após a tímida, mas bela, New Year’s Eve, chega o encerramento com King of the World, e participação de Conor Oberst, do Bright Eyes junto com um instrumental mais recheado, com acordeon e metais, fazendo uma verdadeira apoteose caipira para uma obra coesa e que nos lembra que o espírito Folk se espalha livremente pelos países ocidentais, sem se importar com fronteiras e sempre produzindo música de altíssima qualidade.

1,695 total views, 1 views today

Autor:

Comunicador, arteiro, crítico e cafeínado.