Resenhas

Kimono Kult – Hiding in the Light

Trabalho colaborativo entre John Frusciante e Omar Rodríguez-López não cumpre a expectativa que gerou

 2,075 total views

Ano: 2014
Selo: Neurotic Yell Records
# Faixas: 4
Estilos: Experimental, Rock
Duração: 11:41
Nota: 1.5
SoundCloud: /tracks/133400657
Itunes: http://clk.tradedoubler.com/click?p=214843&a=2184158&url=https%3A%2F%2Fitunes.apple.com%2Fbr%2Falbum%2Fhiding-in-the-light-ep%2Fid794866896%3Fuo%3D4%26partnerId%3D2003

Não há como não criar expectativas quando nomes como John Frusciante (ex-Red Hot Chili Peppers) e Omar Rodríguez-López (ex-The Mars Volta) se juntam em um novo trabalho. A esperança de uma boa obra para um projeto completamente novo se torna ainda maior, visto o que duo fez em Omar Rodriguez Lopez & John Frusciante, álbum lançado em 2010. Portanto, não há como não dizer que se esperava muito dessa nova reunião, sob o nome de Kimono Kult.

Diferente do projeto de 2010, Hiding in the Light é mais expansivo, conta com vocais e parece refletir o clima que os músicos seguem em seus projetos mais atuais. De um lado há as batidas sintetizadas e computadorizadas de Frusciante (algo que possivelmente vai te lembrar do desastre que foi PBX Funicular Intaglio Zone) e do outro, a aproximação Pop de Omar ao tratar sua guitarra (o que não foge muito do que foi visto na estreia homônima do Bosnian Rainbows). Os vocais em espanhol de Teri Gender Bender completam o amálgama primordial do EP.

O teor Experimental da obra, evidenciado pela junção de Electro, Dub, Afro-Beat, Avant-Freak e Jazz, faz dela algo abstrato e disforme que avança por quatro faixas sem adquirir uma personalidade. Há partes bem interessantes, como a progressão das batidas em La Cancion de Alejandra (ou mesmo os violinos nesta mesma canção), o teor Avant-Pop na lírica de Todos Menos El Dolor ou ainda as harmonias vocais de Las Esposas, mas, no geral, as faixas em si não funcionam muito bem sozinhas, nem mesmo como um EP elas parecem se sair melhor.

No fim das contas, não há nenhuma coesão e mesmo nada de muito interessante ou profundo (mesmo para os fãs dos músicos envolvidos). A obra não passa de um exercício colaborativo de experimentações que não tem uma meta, não parecem querer chegar a lugar a algum. Uma grande decepção para quem esperava algo a mais vindo de músicos tão talentosos e inventivos quantos os que estão envolvidos no projeto.

 2,076 total views

BOM PARA QUEM OUVE: Bosnian Rainbows
ARTISTA: Kimono Kult
MARCADORES: Experimental, Rock

Autor:

Apaixonado por música e entusiasta no mundo dos podcasts