Resenhas

Charles Bradley – Victim of Love

Contemporaneamente atemporal, músico une o melhor do Soul de ontem e hoje neste que é apenas seu segundo disco, apesar da idade avançada

3,258 total views, no views today

Ano: 2013
Selo: Daptone Records
# Faixas: 11
Estilos: Soul, R&B, Psicodelia
Duração: 40:20
Nota: 4.0
Produção: Thomas Brenneck
SoundCloud: /tracks/69984028

É engraçado pensar que o sexagenário Charles Bradley acabou de lançar este que é apenas seu segundo álbum, sucessor de No Time For Dreaming, de 2011. Digo isso não apenas pela idade fora do que estamos acostumados a ver nos que chamamos de “novos artistas”, mas também porque a alta qualidade do trabalho apresentado aqui deixa uma certa sensação de “tempo pouco aproveitado” nas últimas décadas de sua vida, já que ele poderia estar nos dando música há muito.

Mais curioso ainda é notarmos o quanto ele se mostra um artista atual em Victim of Love. Ele tem toda a aparência, jeitão e grande vocal dos grandes nomes do Soul, mas suas músicas trazem temperos muito próprios desta década. E se vivemos em uma época em que os artistas buscam tanto uma estética de outrora, a música de Bradley se mostra contemporaneamente atemporal.

Tem um quê Funk, uma pegada R&B, mas também toda uma atmosfera Psicodélica em alguns momentos, como em Hurricane ou na curiosamente instrumental Dusty Blue – faixas que quem ouve bandas como Tame Impala irá certamente aprovar.

A excelente Confusion é outra que mostra como a riqueza de suas composições chega em formatos complexos, mas vestindo trajes convidativos. Mesmo quando o invencionismo não precisa ser demais, como nas baladas Stricly Reserved for You (carro-chefe na divulgação do disco) ou Let Love Stand a Chance, o músico se mostra impecável e digno de toda a nossa atenção.

Bradley e o produtor Thomas Brenneck gostam de brincar com os efeitos do estéreo e você pode perder alguma coisa se tirar um dos fones de ouvido por algum momento, já que muitos elementos estão presentes apenas em um dos lados, embora a voz do cantor esteja sempre no centro, onipresente.

E isso revela também como toda a obra se constrói ao redor do músico, que mostra aqui um potencial vocal fora do comum e interpretações magníficas. Conhecer sua história de vida – que envolve décadas tentando fazer seu sonho de cantar profissionalmente se realizar – pode conferir ainda mais valor ao seu trabalho, mas Victim of Love é o tipo de disco que é difícil não apreciar muito mesmo sem sequer saber quem está cantando.

Charles Bradley – Strictly Reserved For You

3,259 total views, 1 views today

BOM PARA QUEM OUVE: Laura Mvula, Tame Impala, Marvin Gaye
MARCADORES: Ouça

Autor:

Comunicador, arteiro, crítico e cafeínado.