Resenhas

David Bowie – The Gouster

“Disco perdido” joga luz sobre melhor fase de David Bowie

 2,981 total views

Ano: 2016
Selo: Parlophone
# Faixas: 7
Estilos: Art Rock, Rock, Funk
Duração: 40:08
Nota: 5.0
Produção: Tony Visconti

Vamos por partes, porque isso aqui é sensacional. Há poucos dias está no mercado, seja em CD, seja em formatos digitais, a sensacional caixa Who Can I Be Now, trazendo quase tudo o que David Bowie gravou no período entre 1974 e 1976. Neste espaço de tempo, a caixa contabiliza três discos de inéditas (Diamond Dogs, Young Americans e Station To Station), um álbum duplo ao vivo (David Live), além de outros cinco álbuns, digamos, alternativos. Remixagens para Station e Live feitas recentemente, outro álbum ao vivo, gravado nas Bahamas, chamado Live Nassau Coliseum’76, um disco de singles e versões editadas chamado Re:Call e a cereja do bolo, este sensacional The Gouster. Como dissemos, não é pouca coisa e, caso a gravadora decidisse lançar apenas este último álbum, já seria motivo suficiente para abraçarmos desconhecidos nas ruas.

Sim, porque The Gouster marca a troca de pele que o sujeito empreendia em pleno 1974/75. Ele deixava de ser aquela figura com cabelos ruivos, o próprio Ziggy Stardust, e assumia aos poucos uma nova persona. O termo “gouster”, sugere, na gíria americana, justamente essa figura bem vestida, mas decadente, com cabelos gomalinados e dotada de certa canastrice, exatamente o visual que Bowie adotaria a partir de Young Americans, lançado em 1975. Antes de gravar este álbum, facilmente um de seus cinco melhores de todos os tempos, David desenvolveu o conceito de homenagem à música negra americana, aos tais americanos jovens, músicos, públicos, aquela gente estranha, porém fascinante, habitando este parque de diversões continental cheio de contradições, chamado Estados Unidos, pelo menos na visão inglesa.

Para tal, Bowie se entocaiou na Filadélfia, lar do chamado Philly Soul, com o produtor Tony Visconti e lá deu asas ao que tinha em mente. As sessões de The Gouster duraram duas semanas e ele gravou faixas suficientes para um álbum cheio, deixando-as de lado para trabalhar mais as ideias. Deste movimento surgiu o próprio Young Americans, o que fez as sessões anteriores perderem importância imediatamente. Tornaram-se um tesouro para fãs e colecionadores e seu lançamento – ainda que incompleto – é motivo de celebração. As sete canções pinçadas aqui mostram exatamente o que Bowie entendia como “música negra”, ou, pelo menos, o que ele se sentia capaz de realizar neste setor. Também há sutis direções insinuadas em direção ao que viria em Station To Station, lançado em 1976, até hoje, na opinião deste que vos escreve, o melhor disco do homem.

Das faixas presentes aqui, temos a sensacional e funky releitura de John, I’m Only Dancing, que recebe aqui um sensacional (Again), para indicar que a dança permanece, mas agora é algo mais aveludado, negão e suarento. A própria Young Americans, uma das mais sensacionais canções do sujeito desde sempre, surge polida e pronta para a noite. Right, outra canção que entraria no disco oficial, também aparece aqui com seu jeito de semi-balada de FM americana, recebendo tratamento luxuoso com vocais de apoio sensacionais. O que chama a atenção, no entanto, é a mega-balada It’s Gonna Be Me, exemplo de criação classuda, no limite que separa a decadência da história, com um arranjo brilhante. As outras faixas do álbum, Somebody Up There Likes Me, Who Can I Be Now e Can You Hear Me se inserem naquele modelo de canção em midtempo, sempre com ênfase nas guitarras e baixo, que tomam todo o espaço. De vez em quando saxofone e vocais de apoio também aparecem de surpresa, fornecendo várias possibilidades – todas aproveitadas pela produção impecável de Visconti.

Ouvir este álbum agora, ano da morte de Bowie e se deparar com ele aos 27 anos, cheio de força, ideias na cabeça e vontade de se arriscar em movimentos estéticos importantes dá uma agradável e misteriosa sensação de estar numa pequena máquina do tempo. The Gouster é capaz de descolar o ouvinte deste 2016 e jogá-lo por aí, nas ondas do tempo, sempre levando em conta que David Bowie, quase sempre, esteve à frente do seu.

(The Gouster em uma faixa: John I’m Only Dancing (Again))

 2,982 total views

BOM PARA QUEM OUVE: T.Rex, Brian Eno, Pink Floyd
ARTISTA: David Bowie
MARCADORES: Art Rock, Funk, Ouça, Rock

Autor:

Carioca, rubro-negro, jornalista e historiador. Acha que o mundo acabou no meio da década de 1990 e ninguém notou. Escreve sobre música e cultura pop em geral. É fã de música de verdade, feita por gente de verdade e acredita que as porradas da vida são essenciais para a arte.