niLL - Regina

niLL - Regina
  • Ano: 2017
  • Selo: D'sgueio Estudio
  • # Faixas: 14
  • Estilos: Hip-Hop, Vaporwave, Trap
  • Duração: 39:36
BBBBa

O rapper jundiaiense niLL já tem plena consciência do valor introspectivo do Rap, mas há algo em sua obra que parece o destacar dentre os demais. Ex-membro do grupo Sem Modos e atual integrante do coletivo SoundFoodGang, o jovem nos concedeu a honra de conhecer seu imaginário por meio de Negraxa, um disco construído a partir de samples da cultura Eletrônica, como o VHS e os primeiros consoles de videogame, e que evidenciava um ar bastante sombrio e misterioso. Havia algo na personalidade de niLL que cativava e nos prendia fortemente ao universo que ele construíra, algo inominável ou até mesmo impossível de ser categorizado. Assim, com o lançamento de seu segundo disco, ele nos propõe uma nova visão desse mesmo mistério - e se você acha que após escutá-lo terá respostas efetivas, não tenha tanta certeza.

Regina requer um longo suspiro antes de sequer ser executado, pois, uma vez que começamos esta jornada, aceitamos ser guiados por densos níveis de consciência e inconsciência do rapper. O disco é uma homenagem póstuma a sua mãe e uma exposição de rimas e pensamentos que se sucederam após este episódio. A partir disso, começamos a entender um pouco mais sobre a construção desta obra, principalmente no que tange a escolha das sonoridades. Apoiado em reverbs de cunho Vaporwave e com interferências de áudios de WhatsApp, o álbum tenta criar uma espécie de registro da mente de niLL e, dessa forma, ele apresenta conteúdos de diversas naturezas misturados de diferentes formas nas quatorze composições. Um samba-jazz dos anos 1970, samples de videogame, rimas que mostram pontos de vistas psicológicos sobre um mesmo tema e um ocasional descompromisso com qualquer métrica são alguns dos exemplos dos elementos que niLL se utiliza para criar a sensação mais fidedigna possível de suas memórias familiares e episódios que definitivamente o marcaram.

Com dois audios de WhatsApp abrindo o disco, começamos a perceber a natureza dos caminhos pelos quais niLL vai nos guiar pelos próximos quase 40 minutos. Wifi discute postumamente algumas questões diretamente com sua mãe, como o descaso do pai ou a súbita responsabilidade que ele assume diante dos fatos. Minha Mulher Acha Que Eu Sou o Brad Pitt discute ciúmes e amor em cima de um reverberado sample que parece ter sido retirado de algum infomercial dos anos 80/90. Valete de Copas, por sua vez, resignifica timbres icônicos de Dr. Dre com batidas Trap investindo em rimas intensas sobre a ostentação.

Com referências da cultura Pop, niLL continua na investida Trap agressiva com uma das músicas com mais nostálgicas do disco. Com faixas como Summer Nights e 160293 (Interlúdio), podemos perceber que as influências Vaporwave vem no sentido original que o gênero se utiliza de samples antigos: explorar acontecimentos da cultura digital como forma de mostrar a subjetividade de nossa memória. Por fim, Tchau, Regina se despede de sua mãe com o esplendor de arranjos de cordas dos anos 1950/60, com versos dolorosos como “não disse a Deus se te vejo mais tarde” e o final e cortante “Oi, tio, eu tô com saudades”.

Assim, mais uma vez, Regina é um disco que nos traz mais evidências do talento de niLL, cujas fontes ainda permanecem um mistério. Um dos palpites que podemos ter é que o rapper tem tanta consciência de sua obra e de seus valores que cada disco funciona como uma sessão intensa de análise, no qual são revelados conteúdos íntimos de inconsciente que nos assustam ao ser declarados em alto tom e versos densos. Talvez este seja uma das pontas do por quê niLL é tão fantástico em nos apresentar suas vivências: ele é seu próprio psicanalista, e nós somos apenas um público boquiaberto diante de sua maturidade investigativa.

(Regina em uma faixa: De Novo e De Novo)

Bom para quem ouve: Rodrigo Ogi , Síntese , Earl Sweatshirt

Artista: niLL

Marcadores: Trap, Vaporwave, Hip Hop