Resenhas

Grouplove – Big Mess

Produção caprichada não esconde baixa criatividade e mau gosto

1,338 total views, 1 views today

Ano: 2016
Selo: Atlantic/Warner Music
# Faixas: 11
Estilos: Indie Pop, Pop, Pop Rock
Duração: 40'
Nota: 2.0
Produção: Ryan Rabin, Phil Ek, Captain Cuts

É uma tentação muito grande fazer brincadeira com o título Big Mess, mas, pensando melhor, a “grande bagunça” do título não se aplica a seu conteúdo, mesmo tratando-se de um disco tão fraco.

Pelo contrário, Grouplove parece não ter perdido a mão em nenhum momento no intuito de atingir seu objetivo: Um disco bastante Pop, pronto para ser cantado por multidões em shows e utilizado em trilhas sonoras, de propagandas comerciais a grandes filmes, passando por games e o que mais aparecer pelo caminho, tudo sob uma produção que atende essa demanda com louvores.

Desde a abertura com Welcome to Your Life, há um apelo muito grande para o ouvinte soltar-se à grandiosidade de cada um dos clímax tão arquitetados – todas as faixas começam com uma introdução muito bem definida e crescem aos poucos da maneira mais tradicional possível na cartilha “como fazer um hit”.

Seguindo esse manual, há canções meio emocionais, meio baladinhas (Standing in the Sun), baladas assumidas (Hollywood) e espaço para candidatos a hinos juvenis para serem cantados no último volume (como a excessivamente otimista Don’t Stop Making It Happen). É tudo tão meticulosamente planejado de forma que a única surpresa no álbum é sua escolha por onze faixas, não dez ou doze como é mais comum.

É difícil não se incomodar também com a estética escolhida para a forma com que os vocais se apresentam. Eles lembram muito o que o Pop Rock fez há uns dez ou quinze anos, enquanto percebia o Emo crescer como tendência. Unir esse estilo ao Indie Pop (que já caiu no lugar comum há um tempo) é de um perturbador mau gosto.

Big Mess vem então como um lançamento desnecessário para o público com o mínimo de exigência de um frescor naquilo que ouve e nos relembra que uma produção caprichada não sustenta um disco de baixa criatividade.

(Big Mess em uma música: Don’t Stop Making It Happen)

1,339 total views, 2 views today

BOM PARA QUEM OUVE: Bastille, Tegan and Sara, fun.
ARTISTA: Grouplove
MARCADORES: Indie Pop, Pop, Pop Rock

Autor:

Comunicador, arteiro, crítico e cafeínado.