Resenhas

Grouplove – Never Trust A Happy Song

Um dos discos mais completos de 2011, soando Folk, Pop, Rock e Dance ao mesmo tempo, o quinteto consegue fazer desse disco uma grande experimentação dançante e divertida

1,676 total views, no views today

Ano: 2011
Selo: Canvasback
# Faixas: 12
Estilos: Neo-Folk, Indie Pop
Duração: 46:35
Nota: 4.0
Produção: Ryan Rabin

Never Trust A Happy Song é o debut de uma das bandas mais festejadas de 2011. Com muita influência do Indie Rock e Indie Pop o quinteto Grouplove traz um som cheio de novidades e, diria, até ousado. Juntando diversos elementos à música Pop, faz-se do disco uma experimentação muito divertida.

Os membros da banda são dois jovens de Los Angeles, dois de Nova Iorque e um inglês, e o encontro dessas culturas forma uma sintonia incrível, criando uma sonoridade nova que soa ora Dance, ora Folk. A banda ganhou um espaço com o EP (que leva o mesmo nome que a banda) lançado em 2010 e logo chamou a atenção da Atlantic Records, que os convidou para abrir os shows da Florence + The Machine, The Joy Formidable e Cold War Kids.

Com algumas diferenças do EP, o disco traz uma riqueza muito maior de influências e estilos. Soando menos Neo-Folk, o álbum apresenta um lado mais dançante e alegre da banda. Mesmo com grandes viagens introspectivas e reflexões o disco não perde em nada seu apelo Pop.

Passeando entre o Neo-Soul do MGMT e o Rock Festeiro e dançante do The Killers, as músicas Tongue Tied, Spun e Love Will Save Your Soul tem uma pegada mais Post-Punk. Chloe entra no território do The Fratellis e tira de lá muito ritmo e empolgação. Num clima bem hippie e colorido, temos Colours e Naked Kids (que estavam no EP), músicas despreocupadas e que tem um espírito de liberdade muito grande, bem a cara do primeiro registro da banda. “Naked kids, running wild and free. It’s summer time fun, relax and stay young” incitam essa vibe em Naked Kids, por exemplo.

Assim como seus contemporâneos do Black Lips e Local Natives, o Grouplove tem um som enérgico e experimental que lembra muito o som feito nos anos 60. Adiciona-se a isso uma pitada de sintetizadores, vocais melódicos e o rock dançante dos anos 80 e temos um disco que sintetiza tudo isso de forma suave e Pop.

1,677 total views, 1 views today

ARTISTA: Grouplove
MARCADORES: Indie Pop, Neo Folk

Autor:

Apaixonado por música e entusiasta no mundo dos podcasts