Resenhas

Jake Bugg – Shangri la

Segundo disco do britânico está mais perto do Rock do que do Folk sendo uma clara evolução no som do artista que demonstra amadurecimento.

4,801 total views, no views today

Ano: 2013
Selo: Virgin, EMI Records
# Faixas: 12
Estilos: Indie Rock, Folk Rock
Duração: 40:00
Nota: 4.0
Produção: Rick Rubin

Existem certas fases na vida que a diferença entre um ano e outro é brutal. Você sente uma pessoa diferente e preocupações, amigos e hábitos podem se transformar completamente. Ano passado, Jake Bugg lançava o seu primeiro disco ao mesmo tempo em que as inevitáveis comparações com Bob Dylan começavam a surgir – junto com o apreço do público feminino com jovem de 18 anos.

Ano novo, vida nova e se o título de um disco realmente importa, sendo escolhido um com propósito, Shangri la é a mudança de ares rumo a terra prometida. Símbolo do budismo, a cidade paradisíaca no Himalaia em que o tempo paralisa-se em meio a felicidade e iluminação, surge como uma oposição ao então menino do Folk que em pouco tempo se jogou as guitarras e agora faz Rock. Mais comparações com Dylan virão a partir de tal constatação mas a verdade é que Jake parece mais maduro apesar de sua voz muitas vezes denunciar a sua idade.

O lado elétrico vem muito da produção de Rick Rubin, cabeça por trás de discos do Metallica ao Red Hot Chilli Peppers, que aliás teve o seu baterista, Chad Smith, participando das gravações. There’s a Beast and We All Feed It abre o disco dançando junto com o ouvinte, demonstrando um lado menos ingenuo do músico. A continuação em Slumville Sunrise é um belo de Blues Rock com toques no seu refrão extremamente propícios para a rádio. Aliás, apesar de soar muito mais inventivo em seu trabalho, Jake consegue criar músicas excelentes para faze-lo ampliar a sua audiência.

São em momentos como What Doesn’t Kill You, faixa que lembra os primórdios do Arctic Monkeys ou Kingpin que Bugg gasta a sua voz, arranca gritos e aos poucos consegue demonstrar-se algo além de um simples menino que toca violão. Evidentemente, as baladas estão presentes, junto com seu ótimo Folk e devem agradar o fãs de seu auto-intitulado disco de estreia.Messed Up Kids é bastante agradável enquanto A Song About Love é extremamente confessional. Ambas tem arranjos interessantes e são uma clara evolução no som do artista.

O melhor acaba ficando para o final, no chamado lado B. Kitchen Table é Jake controlando a sua voz e sabendo concilia-la muito bem com a orquestração mais sensual que o piano e a guitarra delineada proporcionam. Simple Pleasures tem um simples mas cativante solo introdutório que acaba conduzindo a faixa inteira. A música cresce além das próprias expectativas e se torna o grande momento de todo o disco.

A iluminação indicada no título de Shangri la se materializa na faixa, e demonstra ao mesmo tempo o lado anterior do artista e a sua nova faceta mais roqueira e muito mais impactante. Como um segundo disco – com todos mitos, mistérios e inseguranças- o trabalho de Bugg acaba se mostrando efetivo, interessante e nos deixa curiosos para a sua apresentação em terras brasileiras no próximo Lollapalooza.

4,802 total views, 1 views today

BOM PARA QUEM OUVE: Bob Dylan, Miles Kane, Arctic Monkeys
ARTISTA: Jake Bugg
MARCADORES: Folk, Folk Rock, Indie Rock

Autor:

Economista musical, viciado em games, filmes, astrofísica e arte em geral.