Resenhas

Night Moves – Colored Emotions

Em seu disco de estreia, a banda de Minneapolis prova que inexperiência nem sempre é sinal de imaturidade

 2,656 total views

Ano: 2012
Selo: Domino Records
# Faixas: 10
Estilos: Rock Psicodélico, Folk, Rock Experimental
Duração: 32:30
Nota: 3.5

Primeiros discos geralmente são aqueles que tem maior frescor, jovialidade e vontade de experimentar, mas também são aqueles que podem mostrar alguns sinais de inexperiência – felizmente, esse não é o caso aqui. Colored Emotions, álbum de estreia da Night Moves, é uma prova disso e consegue usar muito bem doses de Rock Psicodélico, Folk, tendências Pop dos anos 70 e mais um tanto de experimentalismo para criar, logo em sua primeira tentativa, uma obra sólida e coesa.

Esse é um daqueles discos em que não é recomendado se ouvir só por singles ou por faixas separadas, pois existe uma linearidade tão grande nele que se perde muita informação ao se escutar somente as principais músicas. Mesmo sendo muito diferentes entre si, elas parecem fluir de uma forma a não se perceber quando começam ou terminam – parecendo uma única faixa que foi fragmentada em dez para caber em um formato comercial. Além disso, esse é também um daqueles trabalhos em que se consegue perceber diferentes nuances a cada audição, se tornando um viagem “exploratória” muito interessante.

A viagem de Colored Emotions começa com a dobradinha Headlights e Country Queen, mostrando os vocais expansivos de John Pelant, que parece ser o encontro entre Roger Hodgson (Supertramp) e John Gourley (Portugal, The Man), com as belas harmonias criadas pelo par de guitarras, a sessão rítmica ganhando destaque principalmente na hora em que as músicas começam a crescer e, acima de tudo, o cuidado minucioso com cada detalhe nas composições – elementos que farão parte das demais faixas.

Na continuação, In The Rounds e Family Tongues mostram a progressão do disco em músicas que expõem sua vibe caleidoscópica. São momentos que, mesmo apresentando uma continuidade, revelam também suas diferenças.

É inegável a vibe vintage do disco, ainda mais quando ele emana uma presença muito forte de influências setentistas como Fleetwood Mac e Todd Rundgren em faixas de pura melancolia Pop, como Old Friends ou Only A Child. Até mesmo na baladinha Colored Emotions, música que fecha o álbum, é perceptível a estética dos anos 70, que mesmo fugindo do Rock, flerta com o Pop feito naquela época.

Night Moves e seu Colored Emotions são ótimas surpresas de 2012 e representam muito bem a safra de novos artistas que ainda mantém a chama do Rock Psicodélico acesa. Mas acima de tudo, provam que nem sempre inexperiência é sinal de imaturidade.

 2,657 total views

Autor:

Apaixonado por música e entusiasta no mundo dos podcasts