Resenhas

O Terno – O Terno

Trio paulistano revela maturidade com músicas menos divertidas, mas bem mais densas

 6,828 total views

Ano: 2014
# Faixas: 12
Estilos: Rock Psicodélico, MPB, Indie Rock
Duração: 42:32
Nota: 4.0
Produção: O Terno e Gui Jesus Toledo

Mais densa e menos divertida – essa é a cara que veremos nos trabalhos de O Terno pelos próximos anos, a julgar pela atitude de batizar seu segundo álbum com o próprio nome, uma estratégia eficaz pra reposicionar sua identidade e mostrar de uma vez por toda “qual é a sua”. Notícia boa é perceber que isso acontece em um trabalho coeso e de alta qualidade sem decepcionar os fãs de 66.

Esse primeiro álbum trazia um punhado de músicas feitas pelo trio, com um bom humor muito bem vindo e uma sonoridade à moda antiga sempre muito elogiada (e que, por si só, ganhava grande parte das atenções do disco), e outras músicas herdadas de Maurício Pereira. Depois, veio o EP Tic Tac/Harmonium, que parece (olhando hoje, após conhecer O Terno) ter a função de criar uma ponte entre os dois álbuns, trazendo uma primeira música com a energia do primeiro e a outra faixa com a melancolia e existencialismo do novo trabalho, só com composições próprias.

Seria fácil demais os três músicos caírem no conformismo de apenas investir na estética tão elogiada (e, na verdade, ironizada em 66). O foco do novo trabalho, no entanto, está no conteúdo das faixas, não apenas em seu formato. Os timbres extras e os efeitos da produção vem subordinados à mensagem, assim como a interpretação vocal. É aí que a maturidade da banda impressiona realmente e faz todos os comentários “olha como os três guris fazem um som de antigamente” serem ainda mais bobos do que já eram em 2012.

Não vejo aqui um candidato a hit como Zé Assassino Compulsivo, Eu Não Preciso de Ninguém ou Tic-Tac, mas doze faixas de muito valor, das quais algumas conseguem se destacar ainda mais. A começar pela previamente lançada O Cinza, passando pela balada “loser” Ai, Ai, Como Eu Me Iludo e a divertida Eu Confesso – uma das que mais me lembram o disco anterior.

Pra fechar o álbum, as melhores: Medo do Medo é candidata forte a favorita de muitos, Eu Vou Ter Saudades tem um quê de Alabama Shakes e Desconhecido impressiona em cada um dos seus quatro minutos e meio, com um verso que encerra a obra amarrando seu conceito e nos tirando o fôlego. Fica difícil não se impressionar.

O Terno já tinha seu lugar firmado na música dos nossos dias. Com este lançamento, fica a ideia de como a banda será lembrada no futuro, com adjetivos muito mais apropriados do que os “meninos que fazem música nostálgica”. São músicos que fazem música relevante.

 6,829 total views

BOM PARA QUEM OUVE: Boogarins, Os Mutantes, Alabama Shakes
ARTISTA: O Terno

Autor:

Comunicador, arteiro, crítico e cafeínado.